A Prática de Atividades Físicas na Doença de Alzheimer

/, Demência, Doença de Alzheimer, Doenças Neurodegenerativas, Neurologia/A Prática de Atividades Físicas na Doença de Alzheimer

A Prática de Atividades Físicas na Doença de Alzheimer

Compartilhe

A prática de atividades físicas na doença de Alzheimer pode ter um impacto significativo no bem-estar do paciente. O exercício é benéfico para a saúde física e mental e pode melhorar a qualidade de vida das pessoas em todas as fases da doença.

Este artigo explica porque ser fisicamente ativo é importante para pessoas com demência e fornece exemplos de atividades físicas adequadas para pessoas em diferentes estágios da condição.

Benefícios da Prática de Atividades Físicas na Doença de Alzheimer

É importante considerar a idade, as habilidades e o tipo de demência apresentado, bem como suas necessidades e preferências, quando realizam exercícios físicos. Pessoas mais jovens com esse tipo de distúrbio podem ser capazes de realizar uma maior quantidade de atividade física.

A atividade física cria oportunidades valiosas para socializar e pode ajudar a melhorar e manter a independência de uma pessoa. Isso é benéfico para as pessoas com demência e seus cuidadores. O engajamento em atividades físicas também pode melhorar a autoestima e o humor, o que pode contribuir para o bem-estar.

A seguir, apresentamos algumas opções de atividades para pessoas em cada estágio da doença:

Exercício nos Estágios Iniciais da Doença de Alzheimer

As pessoas nos primeiros estágios da demência podem não experimentar novas dificuldades nos esportes e em outras atividades físicas de que gostam. Eles devem ser encorajados a continuar essas atividades sempre que possível. Quando uma pessoa está se exercitando, seu cérebro está se estruturando de inúmeras maneiras, de forma que aprender, lembrar com mais facilidade e reduzir o estresse tornam-se mais fáceis. A prática também torna-a mais alerta, criativa, motivada e perspicaz: melhorando o seu humor enquanto ajuda a superar a ansiedade e a depressão. Nosso artigo: “Atividade Física e Cérebro – Saiba Mais!” explica com mais detalhes essa influência benéfica da atividade física na função cerebral.

Não há uma definição exata para a quantidade certa de exercício para pessoa nos estágios iniciais da demência. Por exemplo, uma caminhada diária até as lojas locais e tarefas domésticas ou de jardinagem já podem ser um bom começo. Abaixo estão alguns exemplos dos tipos de exercícios que podem trazer benefícios:

  • Jardinagem – A jardinagem é uma atividade física que oferece uma oportunidade de sair ao ar livre, pode exigir menos esforço, ajudar a fortalecer os músculos do corpo e melhorar a respiração, sendo uma atividade agradável para as pessoas em todas as fases da demência.
  • Dança – A prática pode variar de danças em casal ou grupo a movimentos mais improvisados ​​envolvendo fitas, balões ou bolas. Esta é uma atividade muito social e uma maneira divertida de participar do exercício. Pode aumentar a força e a flexibilidade, ajudar a manter-se estável e ágil e reduzir o estresse.
  • Exercícios Sentados – Pessoas com demência podem se beneficiar de um programa regular de sessões de exercício sentado em casa ou em grupo. Estes exercícios visam a construção ou manutenção da força e do equilíbrio muscular e são menos extenuantes do que os exercícios em pé. Eles podem fazer parte de um programa de desenvolvimento, com o número de repetições de cada exercício aumentado ao longo do tempo.
  • Tai Chi – Tai chi é uma forma suave de artes marciais chinesas que combina movimentos físicos simples e meditação, com o objetivo de melhorar o equilíbrio e a saúde. Os movimentos concentram-se em uma série de exercícios integrados. Essas formas de exercício concentram-se no equilíbrio e estabilidade, que são importantes para se manter ágil e reduzir o risco de quedas.

Atividades Físicas na Doença de Alzheimer – Exercício nos Estágios Avançados da Doença

Permanecer móvel pode reduzir a necessidade de supervisão constante de um cuidador. Também pode minimizar a necessidade de certas adaptações, como banheiras ou elevadores de escada.

As pessoas nos últimos estágios da demência devem ser encorajadas a se movimentar regularmente e trocar de cadeira, por exemplo, ao tomar uma bebida ou uma refeição. Deve haver oportunidades para se sentar sem apoio (na medida do possível) com supervisão diária. Uma rotina diária envolvendo a movimentação pela casa pode ajudar a manter a força muscular e a flexibilidade das articulações. Veja a seguir alguns exercícios sugeridos nos últimos estágios da demência:

  • Ao se levantar ou ir para a cama, mover-se ao longo da borda da cama, na posição sentada, de um lado da cama para o outro. Isso ajuda a exercitar os músculos necessários para se levantar de uma cadeira;
  • Ficar em pé. Isso pode ser feito segurando um suporte, se necessário. Este exercício ajuda no equilíbrio e na postura e pode fazer parte das atividades diárias, por exemplo, quando tomar banho ou lavar a louça;
  • Sentar-se sem suporte por alguns minutos todos os dias. Este exercício ajuda a fortalecer os músculos do abdome e das costas usados ​​para apoiar a postura. Esta atividade deve sempre ser realizada com outra pessoa presente, pois há risco de queda;
  • Deitar-se o mais plano possível na cama durante 20 a 30 minutos por dia, tentando reduzir o espaço entre a curva das costas e o colchão. Isso permite um bom alongamento, fortalece os músculos abdominais e dá aos músculos do pescoço a oportunidade de relaxar;
  • Levantar-se e movimentar-se regularmente. Isso ajuda a manter os músculos das pernas fortes e um bom equilíbrio.

Atividades Físicas na Doença de Alzheimer

Atividades Físicas na Doença de Alzheimer – Quando o Exercício não é Indicado

É importante exercitar apenas o quanto a condição física atual permitir. Excesso de exercício pode ser ruim para sua saúde. Se sentir dor ou se sentir mal durante a prática, ou após aumentar os níveis de atividade, deve-se parar o exercício e procurar orientação médica.

As pessoas que não participaram de algum exercício regular durante algum tempo, ou aquelas com certos problemas de saúde, devem considerar procurar orientação médica. Fale com seu médico, fisioterapeuta ou profissional de educação física antes de iniciar qualquer novo exercício.

Em outros artigos, abordamos também os benefícios da prática de atividades físicas em outras condições neurológicas. Para saber mais, acesse:

Dr Diego de Castro tem como objetivo ajudar seus pacientes que apresentam uma condição neurodegenerativa a melhorar sua função, minimizar sua necessidade de medicamentos e alcançar uma melhor qualidade de vida.

Entendemos que a sintomatologia de cada paciente é única. Por isso, abordamos planos de tratamento individualizados, porém abrangentes de gerenciamento dos sintomas que afetam todos os aspectos da vida de uma pessoa com a doença de Alzheimer.

Para agendar uma consulta, veja abaixo nossas informações de contato:

Dr Diego de Castro Neurologista e Neurofisiologista

R. Sampaio Viana, 253 – cj123 – Paraíso, São Paulo – SP, 04004-000

Telefone: (11) 2368-3067

Especialidades Neurológicas – Eletroneuromiografia

Avenida Americo Buaiz, 501 – Victória Office Tower – Torre Leste – Enseada do Suá, Vitória – ES, 29050-911, próximo ao Shopping Vitória.

Telefone: (27) 99707-3433

Artigo originalmente publicado em 3 de abril de 2019 e atualizado em 6 de agosto de 2019


Compartilhe

Dúvidas e ou Sugestões?

Informações de Contato

R. Sampaio Viana, 253 - cj123 Paraíso São Paulo - CEP: SP 04004-000

Phone: 11 2638-3067 / 98977-2982

Web: Dr Diego de Castro