Sensação de “Agonia nas Pernas” – Conheça a Síndrome das Pernas Inquietas

/, Neurologia/Sensação de “Agonia nas Pernas” – Conheça a Síndrome das Pernas Inquietas

Sensação de “Agonia nas Pernas” – Conheça a Síndrome das Pernas Inquietas

Compartilhe

A Síndrome das Pernas Inquietas (SPI) é uma condição neurológicas comum, mas que muitas vezes, demora muito a ser diagnosticada. Essa síndrome chega a atingir 5% da população geral. Os pacientes experimentam uma sensação desagradável nas pernas que surge principalmente a noite ao deitar e atrapalha o sono. Na Síndrome de Pernas Inquietas os pacientes têm dificuldade de relatar o que estão sentindo e costumam se referir ao sintoma como uma “sensação de agonia nas pernas” ou “gastura nas pernas“.

Esse conjunto de sintomas de difícil caracterização inclui formigamento, queimação, agonia e dor que provocam uma vontade intensa, muitas vezes irresistível, de “mover ou sacudir as pernas”. Essa sensação é provocada principalmente ao se deitar na hora de dormir ou ao sentar-se por períodos prolongados de tempo, como ao dirigir um veículo ou em um teatro.

Este artigo oferece mais informações sobre a síndrome das pernas inquietas, para ajudar as pessoas que atualmente sofrem ou acham que podem ter a condição.

Síndrome das Pernas Inquietas

Pessoas de qualquer idade podem ter Síndrome das Pernas Inquietas (SPI). No entanto, a síndrome geralmente atinge adultos mais velhos e afeta mais as mulheres do que os homens. Pessoas mais jovens, incluindo crianças também podem apresentar a síndrome e geralmente são considerados como tendo “dores de crescimento” ou são considerados excessivamente ativos durante a atividade física.

Os pacientes que sofrem da Síndrome das Pernas Inquietas costumam relatar que a “agonia surge ao deitar”. Para aliviar a “angústia nas pernas” costumam sacudi-las na cama o que atrapalha o próprio sono e o sono do parceiro. Para alguns pacientes a sensação só alivia ao levantar e caminhar pela casa enquanto outros tentam muitas vezes compressas e massagens sem muito sucesso.

Em grande parte dos casos, a Síndrome das Pernas Inquietas pode causar insônia. Sem dormir adequadamente, os sintomas de SPI costumam piorar, o que impacta muito a qualidade de vida dos indivíduos.

Como os sintomas da SPI são frequentemente difíceis de descrever, e pelo menos inicialmente podem ocorrer apenas uma ou duas vezes por mês, muitas pessoas esquecem ou sentem-se constrangidas de levar o assunto ao médico.

O que Causa a Síndrome das Pernas Inquietas?

A Síndrome das Pernas Inquietas apresenta múltiplas causas. Existe a possibilidade de esta ser uma síndrome genética, com os pais passando a condição para seus filhos. Além disso, uma variedade de problemas médicos, bem como medicamentos, podem contribuir para o seu desenvolvimento.

Os problemas médicos que podem favorecer a síndrome incluem deficiência de ferro, anemia, doença renal, diabetes, artrite reumatoide e Doença de Parkinson. As mulheres grávidas frequentemente observam sintomas de SPI após 20 semanas de gestação, e os pacientes em diálise são especialmente suscetíveis.

Muitos estudos com Ressonância Magnética Funcional, uma técnica especial de ressonância utilizada em protocolos de pesquisa, parece apontar que o mecanismo para surgimento dos sintomas da Síndrome das Pernas Inquietas passa por uma deficiência relativa de ferro nas células do sistema nervoso e em anormalidades da neurotransmissão de dopamina. No entanto, os mecanismos exatos ainda não são completamente esclarecidos.

Pacientes que tomam antidepressivos, anti-histamínicos sedativos ou medicamentos anti-náusea também podem desenvolver SPI e nesse caso a síndrome é secundária ao uso de medicamentos.

Como Saber se Tenho Síndrome das Pernas Inquietas?

É importante entender que o diagnóstico de Síndrome das Pernas Inquietas é baseado em parâmetros clínicos. Não há um exame complementar que seja específico para SPI. Geralmente diagnosticamos o distúrbio, descartando outras doenças e ouvindo as descrições dos sintomas pelo paciente. Para confirmar o diagnóstico de SPI, o paciente deve apresentar os seguintes sintomas:

  • Um desejo de mover as pernas, geralmente acompanhado de sensações desconfortáveis, como dormência, formigamento, coceira, queimação, cãibras ou dor;
  • O desejo de se mexer ou sensações desconfortáveis ​​começam ou pioram durante períodos de descanso ou inatividade, como quando sentado assistindo à televisão ou viajando de carro ou de avião;
  • O desejo de se mover ou sensações desconfortáveis ​​são parcialmente ou totalmente aliviados por atividades como alongamento, caminhada ou exercício;
  • O desejo de se mexer ou sensações desconfortáveis ​​são piores ou ocorrem apenas à noite;
  • O desejo de se mexer ou sensações desconfortáveis ​​não ocorrem devido a outro problema médico ou comportamental.

É importante conhecer o histórico de saúde da sua família, para saber se outros membros da família também apresentam SPI. Em 50% dos pacientes, presume-se que o distúrbio seja genético. A chance de desenvolver SPI aumenta de três a seis vezes quando um parente imediato tem o transtorno.

A realização de um exame físico e neurológico completo é também necessária para verificar se há danos nos nervos ou problemas nos vasos sanguíneos. Exames de sangue podem ajudar a descartar os distúrbios médicos associados à SPI.

Uma condição que frequentemente pode ser confundida com a Síndrome das Pernas Inquietas é a polineuropatia periférica. Essa condição também muito comum é marcada por uma lesão dos nervos das pernas. Essa lesão pode acometer até 25% das pessoas com diabetes. Conheça melhor a polineuropatia diabética, lendo o artigo: Neuropatia Diabética – Saiba Mais.

No entanto, os sintomas de formigamento, dor e dormência dos casos de polineuropatia tendem a ser contínuos e não costumam aliviar com o caminhar como na SPI. A diferenciação dessas duas condições é feita por meio do exame de eletroneuromiografia (Saiba mais em: https://drdiegodecastro.com/exame-de-eletroneuromiografia/)

Como a Síndrome das Pernas Inquietas é Tratada?

A SPI é tratada de diferentes maneiras, dependendo da intensidade dos sintomas. Em alguns casos, é um distúrbio temporário que resolve quando outras condições são tratadas. Mas, em casos de SPI devido a distúrbios médicos persistentes, é necessário tratamento específico.

Como a deficiência de ferro é uma causa reversível da síndrome das pernas inquietas, uma primeira abordagem é a suplementação de ferro. Um simples exame de sangue pode medir as reservas de ferro no corpo e ajudar a determinar quem pode se beneficiar desta terapia.

Quando os sintomas da SPI são frequentes ou graves, outros medicamentos são prescritos para tratar o distúrbio:

  • Os tratamentos com maior eficácia são aqueles que substituem a dopamina, um neurotransmissor no cérebro, conhecido por estar em níveis insuficientes em pessoas com SPI. Também usado para tratar a doença de Parkinson, esses medicamentos controlam o desejo de se mover e os sintomas sensoriais nas pernas, além de reduzir os movimentos involuntários das pernas durante o sono.
  • Medicamentos utilizados nas dores crônicas e que tem efeito anti-convulsivante também são usados ​​para tratar os sintomas de SPI, pois diminuem ou bloqueiam os sinais de dor dos nervos nas pernas.
  • Os benzodiazepínicos às vezes são prescritos para SPI, mas geralmente são reservados para casos mais graves, devido ao seu potencial de dependência e efeitos colaterais, incluindo sonolência diurna.
  • Opioides, comumente usados ​​para tratar a dor, são usados ​​muito raramente para aliviar sensações dolorosas e desconfortáveis ​​nas pernas em casos muito graves, quando outros agentes não são eficazes. Estas são substâncias controladas que exigem um tipo especial de prescrição. Exemplos incluem codeína, oxicodona e morfina.

Converse com seu médico sobre que tipo de tratamento é melhor para você.

É Possível Controlar ou Diminuir os Sintomas de Pernas Inquietas?

Entre as medidas que ajudam a reduzir os sintomas de desconforto, estão: evitar bebidas com cafeína, álcool e produtos de tabaco, praticar bons hábitos de saúde e sono e reduzir o estresse tanto quanto possível.

Dependendo da gravidade dos sintomas de SPI, o exercício pode ajudar a reduzir o desconforto. Em casos tão graves, que o exercício ou alongamento das pernas se torna doloroso, é melhor consultar o médico sobre métodos alternativos para controlar os sintomas.

Mesmo que os sintomas de SPI pareçam algo natural ou inútil tratar, há diversos estudos que demonstram fortes prejuízos à qualidade do seu sono e impacto na qualidade de vida.

A Restless Legs Syndrome Foundation e a National Sleep Foundation são fundações americanas que oferecem apoio e informação de qualidade e confiança para pacientes com a Síndrome das Pernas Inquietas. Você pode acessá-las pelos links: https://www.rls.org/ e https://www.sleepfoundation.org/sleep-disorders/restless-legs-syndrome-rls.

Conhece alguém com esses sintomas? Ou que esteja enfrentado outros problemas com o sono, compartilhe este artigo!

Estamos disponíveis para uma avaliação neurológica nos seguintes endereços:

Dr Diego de Castro Neurologista e Neurofisiologista

R. Sampaio Viana, 253 – cj123 – Paraíso, São Paulo – SP, 04004-000

Telefone: (11) 2368-3067

Especialidades Neurológicas – Eletroneuromiografia

No Espírito Santo, também oferecemos um atendimento especializado às pessoas com distúrbios do sono, no Serviço de Especialidades Neurológicas, em Vitória, na Enseada do Suá, próximo ao Shopping Vitória.

Avenida Americo Buaiz, 501 – Victória Office Tower – Torre Leste – Enseada do Suá, Vitória – ES, 29050-911

Telefone: (27) 99707-3433


Compartilhe
2019-10-14T21:07:24+00:00 quarta-feira 26 de junho 2019|Distúrbios do Sono, Neurologia|0 Comentários

Dúvidas e ou Sugestões?

Informações de Contato

R. Sampaio Viana, 253 - cj123 Paraíso São Paulo - CEP: SP 04004-000

Phone: 11 2638-3067 / 98977-2982

Web: Dr Diego de Castro