Conheça o Exame de Eletroneuromiografia

/, Exames, Neurologia/Conheça o Exame de Eletroneuromiografia

Conheça o Exame de Eletroneuromiografia

Compartilhe

A eletroneuromiografia, conhecida também como eletromiografia, é um exame utilizado para avaliar a presença de lesões que afetam o sistema nervoso periférico e o sistema muscular.

Exame de Eletroneuromiografia

O exame estuda o funcionamento dos neurônios motores, os nervos periféricos, os músculos e a comunicação entre os nervos e músculos (junção neuromuscular). A eletroneuromiografia também localiza a lesão e fornece informações referentes a intensidade ou grau de lesão. Essa avaliação é fornecida através de respostas a estímulos elétricos geradas pelo sistema.

O exame de eletroneuromiografia é executado por um neurologista especializado denominado neurofisiologista. O exame pode auxiliar a confirmar o diagnóstico de doenças como esclerose lateral amiotrófica, neuropatia diabética, síndrome do túnel do carpo, Doença de Guillain-Barré, compressão de raízes nervosas por doenças da coluna vertebral, entre outras.

Conheça o Exame de Eletroneuromiografia

A eletroneuromiografia é realizada em consultório médico e requer a utilização de um equipamento apropriado, denominado eletroneuromiógrafo. A duração do exame varia de acordo com os segmentos corporais observados, mas a média é de 30 minutos quando estudados 2 membros (braços ou pernas) e 1h para avaliação dos quatro membros. O exame também pode ser realizado na face, pelve ou região tóraco-abdominal, de acordo com a suspeita clínica.

O exame é dividido em duas etapas:

  • Eletroneurografia ou Estudo da Condução Nervosa

A eletroneurografia é a primeira parte do exame e tem por objetivo avaliar a integridade dos nervos periféricos. Nesta etapa, o médico utilizará um estímulo elétrico. Para captação e leitura de tal estímulo, o médico posicionará estrategicamente pequenos sensores, denominados eletrodos, sobre sua pele. O estímulo elétrico é conduzido pelo nervo periférico e o eletrodo transmite o sinal para um software capaz de determinar a velocidade e outros parâmetros clínicos que serão avaliados pelo médico neurofisiologista.

O estímulo elétrico é sentido pelo paciente como a forma de um pequeno choque. Graças a esta técnica, é possível avaliar a condição do nervo. Todas as respostas são registradas pelo eletroneuromiógrafo e irão compor o laudo final.

  • Eletromiograma ou Estudo por Agulha

O eletromiograma é a segunda etapa do exame e se caracteriza pelo estudo dos músculos. Eletrodos em formato de agulhas muito finas são inseridas na pele do paciente até alcançar os músculos que o médico deseja analisar, para avaliar diretamente sua atividade.

Durante a avaliação, o músculo precisa estar ora em repouso, ora em contração; por isso, o médico solicita que o paciente realize alguns movimentos enquanto a agulha capta os sinais. O eletroneuromiógrafo registra toda a atividade elétrica muscular.

Uma dúvida muito frequente relacionada ao exame de eletroneuromiografia é se ele provoca dor ou não. Ambas etapas incluídas no exame podem gerar certos desconfortos ou uma sensação de incômodo ao paciente, mas que sem dúvida são toleráveis por qualquer pessoa.

Quando Realizar o Exame de Eletroneuromiografia

O objetivo da eletroneuromiografia é averiguar se há presença de alterações nos nervos periféricos ou músculos do paciente, que podem estar relacionadas a diversas condições clínicas.

O exame visa detectar a suspeita de algumas doenças:

  • Doenças do neurônio motor, incluindo a esclerose lateral amiotrófica, a poliomielite e a atrofia muscular espinhal;
  • Doenças das raízes espinhais, compressões radiculares, tais como a hérnia de disco,  artrose da coluna ou ainda radiculopatias por diabetes e outras inflamações.
  • Doenças dos nervos periféricos, incluindo trauma dos nervos, mononeuropatias – tais como paralisia facial e síndrome túnel do carpo –, mononeuropatias múltiplas e polineuropatias axonais e desmielinizantes;
  • Doenças das junções neuromusculares, incluindo Miastenia gravis;
  • Doenças musculares, incluindo miopatias, distrofias musculares, botulismo e paralisias periódicas.

Qualquer médico pode indicar o exame de eletroneuromiografia, a depender da suspeita clínica. A informação do possível diagnóstico ou do sintoma principal que o paciente apresenta é fundamental, pois ela direciona o neurofisiologista para a execução da técnica mais adequada para confirmar ou descartar a doença de interesse.

Exame de Eletroneuromiografia –  Recomendações Prévias

Anteriormente à indicação da eletroneuromiografia, o paciente deve informar ao médico os medicamentos dos quais faz uso, pois alguns deles podem afetar o exame. Caso o especialista julgue necessário, o paciente deve suspender o uso de determinados medicamentos.

Durante 24 horas antecedentes à realização da eletroneuromiografia, a recomendação é não utilizar qualquer tipo de óleo, creme hidratante ou loção sobre a pele, uma vez que estes podem dificultar a aderência dos eletrodos durante o exame.

No dia do exame, é importante chegar no consultório bem alimentado e com uma roupa adequada, folgada e de fácil remoção. Preferencialmente, utilizar bermudas que permitam o exame das coxas e quadris e camisetas que permitam avaliação dos ombros.

Após o procedimento, não existem efeitos colaterais permanentes e o paciente pode retomar suas atividades cotidianas normalmente, sem necessidade de repouso.

Exame de Eletroneuromiografia – Contraindicações

O exame de eletroneuromiografia não oferece riscos à saúde do paciente. Entretanto, é contraindicado no caso de pessoas que fazem uso de medicamentos anticoagulantes ou possuem marcapasso cardíaco. Se esse for o seu caso, consulte um especialista em neurologia capaz de avaliar a contraindicação e, se necessário, indicar outra possibilidade de investigação.


Compartilhe
2018-11-19T23:59:34+00:00 sexta-feira 29 de junho 2018|Eletroneuromiografia, Exames, Neurologia|0 Comentários

Dúvidas e ou Sugestões?

Informações de Contato

Av Ibirapuera 2907, Conjunto 1618 Moema, São Paulo/ BR CEP 04029-200

Phone: 11 3522-9515

Web: Dr Diego de Castro