São Paulo: (11) 98758-7663 - (11) 3262-4745 | Vitória: (27) 99707-3433 - (27) 99886-7489

O que Causa Enxaqueca Crônica?

Dr. Diego de Castro dos Santos09/12/2020
Compartilhe

Segundo a Migraine & Headache Australia, existem dois tipos de enxaqueca – Enxaqueca Episódica e Enxaqueca Crônica – cada uma determinada pela frequência de dias em que ocorrem as crises de dor de cabeça.

A enxaqueca crônica é uma condição debilitante onde os pacientes sofrem dores de cabeça por 15 dias ou mais por mês, com enxaqueca em pelo menos 8 desses dias. Em termos reais, isso significa que uma pessoa que sofre de Enxaqueca Crônica tem dor de cabeça ou enxaqueca por mais da metade dos dias do mês.

Neste artigo, Dr Diego de Castro, Neurologista e Neurofisiologista pela USP, explica sobre a Enxaqueca Crônica, suas causas e gatilhos, e como diagnosticar e tratar a condição.

Como a Enxaqueca Torna-se Crônica

De acordo com a American Migraine Foundation, as crises de enxaqueca podem aumentar de frequência ao longo do tempo, em um processo de transição com quatro estados distintos:

  • Sem enxaqueca
  • Enxaqueca episódica de baixa frequência (menos de 10 dias de dor de cabeça por mês)
  • Enxaqueca episódica de alta frequência (10-14 dias de dor de cabeça por mês)
  • Enxaqueca crônica (15 ou mais dias de dor de cabeça por mês)

A transição para enxaqueca crônica está associada a fatores de risco bem reconhecidos e potencialmente tratáveis. Alguns exemplos de fatores de risco incluem:

  • Depressão
  • Ansiedade
  • Outros distúrbios de dor
  • Obesidade
  • Asma
  • Ronco
  • Eventos estressantes da vida
  • Lesão na cabeça/pescoço
  • Cafeína
  • Uso excessivo de medicamentos analgésicos
  • Náuseas persistentes e frequentes

Causas da Enxaqueca Crônica

Conforme a Cleveland Clinic, possíveis causas para a enxaqueca crônica foram identificadas, mas respostas definitivas ainda não foram descobertas. Algumas teorias sobre o que causa enxaqueca incluem:

  • Condições neurológicas subjacentes que possam desencadear enxaquecas crônicas.
  • Desequilíbrios químicos: A função cerebral adequada requer que todas as substâncias químicas sejam uniformemente combinadas e todas as vias nervosas estejam claras. Caso algum desses fatores seja interrompido, podem ocorrer enxaquecas.
  • Fatores genéticos: Se um membro próximo da família, como um pai ou um irmão, tiver experimentado enxaquecas, suas chances de ter enxaqueca aumentam.
  • Irregularidades vasculares: Problemas com a forma, tamanho ou fluxo sanguíneo em vasos para ou dentro do cérebro podem causar enxaqueca.

Em alguns casos, enxaquecas crônicas podem ser um sintoma subjacente de outra condição grave. Condições que podem causar enxaquecas crônicas incluem:

  • Lesão cerebral traumática
  • Inflamação ou outros problemas com vasos sanguíneos no cérebro, incluindo AVC
  • Infecções como meningite
  • Tumores cerebrais
  • Pressão intracraniana muito baixa ou elevada.

Possíveis Gatilhos

Segundo a Mayo Clinic, pessoas suscetíveis a enxaquecas podem descobrir que certas situações, comportamentos ou ambientes desencadeiam um novo episódio de enxaqueca. Esses fatores são chamados de gatilhos.

Os gatilhos são diferentes para cada pessoa e também podem afetar a mesma pessoa de forma diferente, cada vez que é exposta a eles. Para pessoas com enxaquecas crônicas, evitar gatilhos comuns de enxaqueca pode ajudar a reduzir a probabilidade de um surto de sintomas.

Os gatilhos comuns para enxaquecas incluem:

  • Ansiedade e estresse: Pessoas que têm histórico de enxaqueca podem achar que dores de cabeça surgem em momentos de aumento do estresse e ansiedade.
  • Má postura: Pode reduzir o fluxo sanguíneo através do seu pescoço. Esse fluxo sanguíneo reduzido também pode desencadear uma enxaqueca.
  • Uso e abuso de cafeína: Cafeína é um estimulante que pode desencadear um episódio de enxaqueca. Refrigerantes ou bebidas com alto teor de açúcar que contenham cafeína também podem desencadear enxaquecas.
  • Certos alimentos e bebidas: Alimentos salgados, picantes e envelhecidos (como carnes e queijos curados) e adoçantes artificiais podem ser gatilhos. O glutamato monossódico é um conservante alimentar comum que também tem sido uma causa para enxaquecas.
  • Hormônios: Tanto enxaquecas episódicas quanto crônicas são mais comuns em mulheres do que em homens. Isso pode ser porque as mulheres experimentam alterações hormonais regulares como resultado da menstruação. As mulheres também experimentam mudanças hormonais significativas antes e durante a menopausa. Medicamentos hormonais, incluindo os anticoncepcionais orais, também podem desencadear crises.
  • Medicamentos: Vasodilatadores afetam seu sistema vascular (vasos sanguíneos). Um problema vascular pode desencadear uma enxaqueca ou piorar uma crise. Como as substâncias vasodilatadoras afetam seus vasos sanguíneos, elas podem desencadear crises.
  • Medicação para dor de cabeça: Se você tomar medicação para dor de cabeça mais de três dias por semana ou mais de nove dias em um mês para tratar suas enxaquecas, você pode experimentar uma dor de cabeça rebote.
  • Estimulação sensorial: Luzes piscando, música alta e odores fortes podem desencadear um episódio de enxaqueca.
  • Dificuldades de sono: Não dormir o suficiente e dormir demais pode desencadear um episódio de enxaqueca crônica.
  • Tempo: Mudanças na temperatura, umidade e pressão barométrica podem afetar seu estado de enxaqueca.
Enxaqueca Crônica por Abuso de Analgésicos

Diagnóstico

Segundo um artigo publicado no periódico Therapeutic Advances in Chronic Disease, ao avaliar um paciente com dores de cabeça crônicas, é importante desde o início verificar como as dores de cabeça se desenvolveram originalmente. Há dois padrões típicos:

  • Em um conjunto de casos, pacientes com um distúrbio de dor de cabeça têm crises cada vez mais frequentes até chegarem a um estágio em que não recuperam um período livre de dores entre duas crises.
  • No outro conjunto de casos, os pacientes começam a ter dor de cabeça um dia, e isso simplesmente nunca desaparece. Esta é uma síndrome que atende sob o nome de "nova dor de cabeça persistente diária", e é um padrão importante a reconhecer porque é dentro desse conjunto de dores de cabeça que muitas das causas graves residem.

É importante tomar conhecimento dos eventos que aconteceram no passado (às vezes alguns anos antes) e como suas dores de cabeça costumavam ser, especialmente como as dores de cabeça se tornaram cada vez mais incômodas ao longo do tempo, para fazer um diagnóstico preciso, sem o qual o tratamento é improvável de ser bem sucedido.

É útil também verificar quais tratamentos, atuais e anteriores, foram tentados, e em que ponto da crise de enxaqueca esses tratamentos são realizados.

Tratamento

Informações da Mayo Clinic também recomendam que o tratamento da enxaqueca crônica seja realizado por meio de três abordagens amplas:

  • Estilo de vida e manejo de gatilhos
  • Tratamentos agudos (ou seja, aqueles tomados durante ataques ou exacerbações de dor crônica)
  • Tratamentos preventivos (medicamentos ou outras intervenções destinadas a reduzir a tendência de ataques).

Quando os pacientes têm dores de cabeça crônicas severas, pode ser difícil reconhecer gatilhos específicos. Paradoxalmente, à medida que as dores de cabeça crônicas começam a melhorar com o tratamento, os gatilhos se tornam mais óbvios.

Pacientes com enxaqueca crônica muitas vezes acham difícil saber quando fazer tratamentos agudos. Além disso, devido à possibilidade de uso excessivo de medicamentos, nos estágios iniciais do tratamento pode ser preferível evitar analgésicos agudos completamente. Uma vez que um estágio é alcançado onde há claros "dias bons e dias ruins", então o tratamento agudo pode ser reintroduzido.

Tratamento Preventivo

Inúmeros medicamentos têm se mostrado eficazes no tratamento preventivo da enxaqueca. A escolha do tratamento pode ser influenciada em diferentes graus pelo padrão de dores de cabeça, outras condições de saúde do paciente, tolerabilidade, potenciais efeitos colaterais, facilidade de uso e escolha do paciente.

Os tratamentos preventivos devem ser iniciados em baixa dose para minimizar a possibilidade de desenvolver efeitos colaterais. A dose deve ser constante e regularmente aumentada até que a medicação funcione, efeitos colaterais intoleráveis ocorram ou uma dose máxima seja alcançada, momento em que pode-se concluir que a medicação não funciona para esse paciente individual.

Neste ponto, outro tratamento preventivo pode ser tentado. Se o tratamento preventivo funcionar bem, deve ser continuado por alguns meses antes de descontinuar a dose. Em muitos casos, esse processo pode ser alcançado sem que a frequência da dor de cabeça volte a piorar.

Dr Diego de Castro Neurologista e Neurofisiologista

Dr Diego de Castro é Neurologista pela USP e se dedica a cuidar de pacientes com dor de cabeça e outras condições neurológicas.

Aprenda mais sobre dor de cabeça e outras condições neurológicas associadas acessando nossos artigos:

Para agendar uma consulta ou saber mais sobre os serviços de diagnóstico e tratamento da dor, veja abaixo nossas informações de contato:

Dr Diego de Castro Neurologista em Vitória: Avenida Americo Buaiz, 501 - Victória Office Tower - Torre Leste - Enseada do Suá, Vitória - ES, 29050-911
(27) 99707-3433

Posts Relacionados:


Compartilhe

Posts mais Populares

Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter e receba em seu e-mail todos os nossos novos artigos.

Dr Diego de Castro dos Santos
Dr Diego de Castro Neurologista
Dr Diego de Castro dos Santos é Neurologista pela USP e responsável pelo Serviço de Especialidades Neurológicas – Eletroneuromiografia. Atua como neurologista em Vitória Espírito Santo ES e em São Paulo no tratamento de Dor de Cabeça, Depressão, Doença de Parkinson, Miastenia gravis e outras doenças. Também se dedica a reabilitação de pacientes com AVC, distonias e crianças com paralisia cerebral, por meio de aplicação de toxina botulínica (Botox) e neuromodulação.
Dúvidas? Sugestões?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DR DIEGO DE CASTRO

Dr. Diego de Castro dos Santos
Neurofisiologia clínica - RQE 74154
Neurologia - RQE 74153
Diretor Clínico Autor e Responsável Técnico pelo Site – Mantenedor.

Missão do Site: Prover Soluções cada vez mais completas de forma facilitada para a gestão da saúde e o bem-estar das pessoas, com excelência, humanidade e sustentabilidade. Destinado ao público em geral.
NEUROLOGISTA EM SÃO PAULO – SP
CRM-SP 160074

R. Itapeva, 518 - sala 901
Bela Vista - São Paulo - SP 
CEP: 01332-904

Telefones:
(11) 3262-4745
(11) 98758-7663

NEUROLOGISTA VITÓRIA – ES
CRM-ES 11.111

Av. Américo Buaiz, 501 – Sala 109
Ed. Victória Office Tower Leste, Enseada do Suá, Vitória – ES, CEP: 29050-911

Telefones:
(27) 99707-3433
(27) 99886-7489

magnifier linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram