Distonia Laríngea – Tratamento com Aplicação de Botox (Toxina Botulínica)

/, Doenças Neuromusculares, Eletroneuromiografia/Distonia Laríngea – Tratamento com Aplicação de Botox (Toxina Botulínica)

Distonia Laríngea – Tratamento com Aplicação de Botox (Toxina Botulínica)

Compartilhe

A Distonia laríngea é uma forma especial de distonia cujo pilar central de tratamento se baseia na aplicação de Botox (toxina botulínica). A distonia laríngea também é conhecida como “Disfonia Espasmódica” e compõe um dos vários tipos de distonia que podem atingir a musculatura da cabeça e do pescoço, incluindo: A distonia ocular focal (Blefaroespasmo), a distonia oromastigatória (Síndrome de Meige), além das formas  de distonias cervicais clássicas como anterocollis, retrocollis, laterocollis e torcicolo espasmódico.

Neste artigo, Dr Diego de Castro Neurologista especialista em Distonia e Distúrbios do Movimento pela USP, aborda a aplicação de toxina botulínica (botox) para distonia da laringe – as disfonias espasmódicas adutoras e abdutoras, sua eficácia e efeitos colaterais.

O que é a Distonia Laríngea ou Disfonia Espasmódica?

A Distonia Laríngea (DL) ou Disfonia Espasmódica é um distúrbio de contração involuntário da musculatura laríngea. É também conhecida como disfonia espasmódica, que se refere a uma anormalidade de contração muscular da laringe, nos quais movimentos musculares involuntários interferem com a função normal da respiração ou da fonação (emissão de sons).

Basicamente, a condição é caracterizada pelo grave comprometimento da pronúncia de frases. No geral a disfonia laríngea não compromete práticas como cantar, cantarolar ou rir, ou atividades relacionadas, como bocejar, gritar ou espirrar. A contração involuntária tende a piorar em situações de estresse e pode ser temporariamente aliviada com álcool, medicamentos tranquilizantes e / ou sedativos.

No paciente com a distonia laríngea, podem ocorrer distonias focais associadas em outras áreas, como torcicolo, blefaroespasmo, espasmo hemifacial, estrabismo e cãibra do escrivão. Embora a condição possa ser tratada por um médico otorrinolaringologista, por causa da relação com outras doenças neurológicas, a consulta com um neurologista deve ser sempre considerada.

As distonias laríngeas resultam de movimentos musculares pouco coordenados. Embora várias opções farmacológicas, cirúrgicas e fisioterapêuticas possam ser usadas para o tratamento, a injeção de toxina botulínica é atualmente o padrão de tratamento com os melhores resultados clínicos.

Tipos de Distonia Laríngea

A distonia laríngea é subdividida em dois tipos, dependendo se a movimentação anormal das pregas vocais ocorre durante a adução ou abdução dos músculos laríngeos.

  • Disfonia espasmódica de adução – é responsável por 80% a 90% dos casos. Caracteriza-se por fala irregular com voz tensa ou estrangulada. Anteriormente, era tratada pela retirada cirúrgica do nervo nas pregas vocais, mas os resultados não eram consistentes nem persistentes. Atualmente, o tratamento utilizado é a injeção de toxina botulínica, que tem alta taxa de sucesso, com pacientes relatando um retorno de 50-80% da função normal.
  • Disfonia espasmódica abdutora – é responsável por 10% a 20% dos casos. Os pacientes têm uma qualidade ofegante para a voz com uma curta duração de vocalização devido à perda excessiva de ar na fonação. Isso é especialmente perceptível quando o paciente fala palavras que começam com uma consoante sonora seguida por uma vogal (por exemplo, tapinha, filhote). A resposta à injeção de toxina botulínica é mais variável, possivelmente devido à fisiopatologia do transtorno ou devido aos desafios técnicos de administrar a injeção.

Menos de 1% dos pacientes têm componentes abdutores e adutores simultaneamente, e seu tratamento pode ser particularmente desafiador. Saiba mais lendo este artigo.

Aplicação de Toxina Botulínica (Botox) para Tratamento da Distonia Laríngea

Tratamento com Botox para Distonia Laríngea Adutora

Para tratamento da distonia laríngea adutora a toxina botulínica (Botox) pode ser injetada por meio de várias abordagens. Ela pode ser injetada por visualização das cordas vocais por meio de laringoscopia, por palpação ou guiada por eletroneuromiografia.

Em nosso serviço (Especialidades Neurologicas – Eletroneuromiografia) realizamos a aplicação do botox orientados pela eletroneuromiografia laríngea o que permite maior precisão e segurança para o paciente. A técnica utilizada é a mesma realizada pela Mayo Clinic nos Estados Unidos e está disponível no vídeo abaixo:

 

Durante 1 a 2 semanas, o paciente pode sentir falta de ar e ficar mais suscetível à aspiração de líquidos. Portanto, é instruído a beber com cautela. Os benefícios do tratamento geralmente duram de 3 a 6 meses. À medida que os efeitos da toxina botulínica desaparecem, o paciente percebe um aumento gradual na tensão e no esforço da fala.

As dosagens de toxina botulínica para tratamentos subsequentes são ajustadas equilibrando o desejo do paciente aos efeitos terapêuticos e adversos. Alguns estão dispostos a tolerar mais efeitos colaterais para evitar aplicações frequentes, para que possam receber uma dose maior. Outros não toleram a falta de ar, mas estão dispostos a aceitar aplicações mais frequentes, de modo que devem receber uma dose menor.

Em casos raros, os pacientes apresentam falta de ar significativa, mesmo em pequenas doses. Nesses casos, podemos realizar as aplicações em apenas uma prega vocal ou, alternativamente, em uma falsa prega vocal, permitindo a difusão da toxina até o músculo da prega vocal verdadeira.

Aplicação da Toxina Botulínica nas Distonias Laríngeas de Abdução

O sucesso do tratamento com toxina botulínica para a distonia laríngea de abdução é mais variável do que para o tipo adutor. As aplicações são feitas em um dos músculos da laringe, chamado cricoaritenóideo posterior. Como esse músculo não pode ser visualizado diretamente, o procedimento requer orientação com eletromiografia laríngea.

A maioria dos pacientes tem uma boa resposta ao procedimento. A maioria requer uma segunda aplicação cerca de um mês depois, muitas vezes do outro lado. Injeções bilaterais de uma só vez podem comprometer as vias aéreas, e o movimento da prega vocal deve ser avaliado no momento da injeção para avaliar a permeabilidade das vias aéreas.

Resultados do tratamento com Aplicação de Toxina Botulínica para Distonia Laríngea

A resposta do tratamento a aplicação de toxina botulínica é tipicamente melhor em pacientes mais jovens. A taxa de sucesso se aproxima de 50% – 80% e é maior na distonia laríngea adutora do que na distonia laríngea abdutora.

Doses grandes ou repetidas podem causar resistência pela formação de anticorpos; isso pode ocorrer em cerca de 3% – 10% dos pacientes e também está relacionado à idade mais jovem e a doses de reforço.

No Serviço de Especialidades Neurológicas, entendemos que a aplicação de toxina botulínica para distonia laríngea pode envolver uma certa apreensão para o paciente. Por este motivo, realizamos uma avaliação abrangente, identificando se um paciente é ou não um bom candidato para o procedimento e a técnica adequada para sua realização.

Se você tiver dúvidas sobre nossa abordagem e a realização deste procedimento, entre em contato e deixe-nos ajudar. Veja abaixo nossas informações de contato para o agendamento de consultas.

Dr Diego de Castro Neurologista e Neurofisiologista – Aplicação de Botox para Distonia Laríngea

Rua Itapeva, 518 – sala 901
Bela Vista
São Paulo – SP, 01332-904

Telefone: (11) 3262-4745

Especialidades Neurológicas – Eletroneuromiografia

No Espírito Santo, nosso consultório está localizado em Vitória, na Enseada do Suá, próximo ao Shopping Vitória.

Avenida Americo Buaiz, 501 – Victória Office Tower – Torre Leste – Enseada do Suá, Vitória – ES, 29050-911

Telefone: (27) 99707-3433


Compartilhe

Dúvidas e ou Sugestões?

Informações de Contato

Avenida Americo Buaiz, 501 – Victória Office Tower – Torre Leste – Enseada do Suá, Vitória – ES, 29050-911, próximo ao Shopping Vitória.

Phone: (27) 99707-3433

Web: Dr Diego de Castro