São Paulo: (11) 3504-4304 | Vitória: (27) 99707-3433 - (27) 99886-7489

Causas da Esclerose Múltipla

Dr Diego de Castro
17/11/2021
Compartilhe

Segundo a U.S. National Library of Medicine, esclerose múltipla (EM) é uma doença neurológica que danifica a baia de mielina, o material que envolve e protege suas células nervosas. Ela pode afetar o cérebro, a medula espinhal e os nervos ópticos, causando problemas com visão, equilíbrio, controle muscular e outras funções básicas do corpo.

Neste artigo, Dr Diego de Castro, Neurologista e Neurofisiologista pela USP, explica sobre as causas da Esclerose Múltipla.

Como a Esclerose Múltipla se Desenvolve

Conforme a Multiple Sclerosis Australia, a Esclerose Múltipla é uma doença autoimune. Em outras palavras, o sistema imunológico, que normalmente protege seu corpo de agentes que podem causar doenças, sofre uma espécie de desregulação e começa a atacar partes saudáveis do organismo.

Na esclerose múltipla, o sistema imunológico ataca e danifica erroneamente a mielina, uma camada protetora ao redor das células nervosas, composta por um material gorduroso. A mielina é importante para que as mensagens elétricas que o cérebro envia para o resto do corpo viajem de forma rápida e eficiente.

À medida que a mielina se quebra (processo chamado de desmielinização) durante um ataque do sistema imunológico, o cérebro não consegue enviar sinais nervosos para outras partes do corpo, resultando em uma série de sintomas.

Processo de Desmielinização
Processo de Desmielinização

Causas da Esclerose Múltipla

A Multiple Sclerosis Society explica que o processo autoimune pode ser desencadeado pela exposição a determinados agentes ambientais (por exemplo, certas bactérias, vírus ou toxinas) em indivíduos com suscetibilidade genética para a Esclerose Múltipla.

Os fatores de risco para Esclerose Múltipla são muito comuns, e milhares de pessoas são expostas a eles todos os dias. Mas apenas uma pequena fração realmente desenvolve a doença.

Por este motivo, acredita-se que diferentes fatores precisem se unir para desencadear a Esclerose Múltipla. Entre os principais fatores que podem estar envolvidos no desenvolvimento da doença, estão:

Fatores Genéticos

A esclerose múltipla não é herdada diretamente de pai para filho e não há um único gene que cause a doença. Já foram identificados mais de 200 genes que podem afetar a chance de ter esclerose múltipla, mas os fatores genéticos são apenas parte da história.

A esclerose múltipla pode acontecer mais de uma vez na mesma família, mas é mais provável que isso não aconteça. Há apenas cerca de 1,5% de chance de desenvolver esclerose múltipla de forma herdada.

Fatores Infecciosos

Muitos vírus e bactérias estão sendo investigados para determinar se estão envolvidos no desenvolvimento da Esclerose Múltipla. Conforme a National Organization for Rare Disorders, aqueles que já demonstraram algum envolvimento incluem:

  • Sarampo;
  • Vírus herpes humano-6;
  • Vírus Epstein-Barr (EBV);
  • Vírus varicella zoster (VZV).

Especialmente o EBV, o vírus causador da mononucleose, tem recebido atenção significativa nos últimos anos. Um número crescente de achados da pesquisa indica que a infecção prévia com EBV contribui para o risco de desenvolver EM.

Fatores Ambientais

Embora a causa da EM não seja conhecida, conforme os estudos avançam, mais está sendo aprendido sobre fatores ambientais que contribuem para o risco. Por exemplo:

Exposição ao Sol e Níveis de Vitamina D

Evidências crescentes sugerem que baixos níveis de vitamina D desempenham um papel importante no risco para o desenvolvimento de EM.

Alguns pesquisadores acreditam que a exposição solar (a fonte natural de Vitamina D) pode ajudar a explicar a distribuição norte-sul da doença.

Pessoas que vivem mais perto do Equador estão expostas a maiores quantidades de luz solar durante todo o ano. Como resultado, eles tendem a ter níveis mais elevados de vitamina D produzida naturalmente, o que promove uma boa função imunológica e pode ajudar a proteger contra doenças imuno-mediadas como a EM.

Poluição do Ar

Acredita-se que a poluição do ar pode aumentar o risco de condições autoimunes como a EM, promovendo inflamação e estresse oxidativo no corpo.

No entanto, mais pesquisas precisam ser realizadas para compreendermos o papel da poluição do ar no risco de EM.

Solventes Orgânicos

Solventes orgânicos, como benzeno e tetracloroetileno, são produtos químicos que podem estar presentes em produtos como tintas, adesivos e lacas.

Acredita-se que alta exposição a esses produtos químicos promova inflamação, potencialmente interagindo com outros fatores de risco de EM para aumentar o risco.

Fatores do Estilo de Vida

Tabagismo

Informações da National Multiple Sclerosis Society apontam que é mais provável ter esclerose múltipla quando uma pessoa fuma, pois os produtos químicos na fumaça do cigarro afetam o sistema imunológico. O risco é ainda maior em pessoas com esclerose múltipla na família, estando associado até mesmo ao tabagismo passivo.

Pessoas com esclerose múltipla recidiva que param de fumar podem diminuir a velocidade com que a doença evolui para esclerose múltipla progressiva secundária.

Obesidade

Estudos já demonstraram que a esclerose múltipla pode estar relacionada ao excesso de peso. As explicações para isto são os baixos níveis de vitamina D, que é comum em pessoas obesas e o fato de que a obesidade pode tornar o sistema imunológico hiperativo e causar inflamação.

Estresse

Algumas pessoas desenvolvem esclerose múltipla como resultado direto de algum evento ou trauma estressante. As evidências dessa conexão ainda estão sendo investigadas. Alguns estudos veem um efeito, enquanto outros não.

O tipo de personalidade parece ser mais relevante do que a quantidade ou tipo de estresse na determinação do efeito sobre sua saúde.

Principais Fatores de Risco

Segundo o NHS, outros fatores podem aumentar as possibilidades de desenvolver esclerose múltipla. Entre eles, podemos citar:

  • Idade. Pode ocorrer em qualquer idade, mas inicia geralmente em torno de 20 e 40 anos de idade
  • Sexo. As mulheres têm de duas a três vezes mais chances que os homens de ter esclerose múltipla
  • Raça. Percebemos um risco aumentado em pessoas de raça branca, particularmente de ascendência norte-europeia. Por outro lado, pessoas de ascendência asiática, africana ou nativa americana têm demonstrado uma menor incidência
  • Certas doenças autoimunes. Você tem um risco ligeiramente maior de desenvolver EM se tiver outras doenças autoimunes, como doença da tireoide, anemia perniciosa, psoríase, diabetes tipo 1 ou doença inflamatória intestinal.

Você pode até se perguntar se fez algo para causar o desenvolvimento da esclerose múltipla ou se poderia ter impedido que ela acontecesse com você. A resposta é "não".

Será preciso muito mais pesquisa para descobrir como estes fatores relacionam-se entre si para levar ao desenvolvimento da esclerose múltipla e, em seguida, utilizar esse conhecimento para prevenir a a doença.

Dr Diego de Castro Neurologista

Dr Diego de Castro cuida de pacientes com diversas doenças neurológicas e realiza o exame de eletroneuromiografia SP e eletroneuromiografia em Vitória ES em casos complexos e condições genéticas raras.

Com o propósito de oferecer um atendimento de excelência e confiança, o Dr Diego de Castro realiza uma avaliação neurológica minuciosa, capaz de auxiliar na definição diagnóstica de seus sintomas e atua juntamente à equipe multidisciplinar para fornecer um tratamento eficaz a seus pacientes.

Gostou deste artigo? Compartilhe com um amigo! Siga-nos nas redes sociais!

Continue aprendendo em nosso site:

Estamos disponíveis para cuidar de você nos endereços:

Avenida Américo Buaiz, 501 – Ed. Victória Office Tower Leste, Sala 109 - Enseada do Suá, Vitória - ES, 29050-911

Tel: (27) 99707-3433

R. Itapeva, 518 - sala 901 Bela Vista - São Paulo - SP, CEP: 01332-904

Telefones: (11) 3504-4304 e (11) 98758-7663

Posts Relacionados:


Compartilhe
Posts mais Populares
Acompanhe nosso Podcast!
Escute nossos conteúdos em áudio, na sua plataforma preferida:
Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter e receba em seu e-mail todos os nossos novos artigos.

Dr Diego de Castro dos Santos
Neurologia - Dr Diego de Castro
Dr Diego de Castro dos Santos é Neurologista pela USP e responsável pelo Serviço de Especialidades Neurológicas – Eletroneuromiografia. Atua como neurologista em Vitória Espírito Santo ES e em São Paulo no tratamento de Dor de Cabeça, Depressão, Doença de Parkinson, Miastenia gravis e outras doenças. Também se dedica a reabilitação de pacientes com AVC, distonias e crianças com paralisia cerebral, por meio de aplicação de toxina botulínica (Botox) e neuromodulação.
Dúvidas? Sugestões?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

DR DIEGO DE CASTRO

Dr. Diego de Castro dos Santos
Neurofisiologia clínica - RQE 74154
Neurologia - RQE 74153
Diretor Clínico Autor e Responsável Técnico pelo Site – Mantenedor.

Missão do Site: Prover Soluções cada vez mais completas de forma facilitada para a gestão da saúde e o bem-estar das pessoas, com excelência, humanidade e sustentabilidade. Destinado ao público em geral.
NEUROLOGISTA EM SÃO PAULO – SP
CRM-SP 160074

R. Itapeva, 518 - sala 901
Bela Vista - São Paulo - SP 
CEP: 01332-904

Telefones:
(11) 3504-4304
(11) 98758-7663

NEUROLOGISTA VITÓRIA – ES
CRM-ES 11.111

Av. Américo Buaiz, 501 – Sala 109
Ed. Victória Office Tower Leste, Enseada do Suá, Vitória – ES, CEP: 29050-911

Telefones:
(27) 99707-3433
(27) 99886-7489

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Ao continuar navegando em nosso site, você concorda com o uso de cookies. Leia nossa política de privacidade/cookies para saber mais informações.
magnifier
× Como posso ajudar?
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram