São Paulo: (11) 98758-7663 - (11) 3262-4745 | Vitória: (27) 99707-3433 - (27) 99886-7489

Diagnóstico e Tratamento da Esclerose Lateral Amiotrófica

Dr Diego de Castro08/07/2020
Compartilhe

O diagnóstico da Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é feito pelo quadro clínico de perda de força com atrofia muscular e pelo exame de eletroneuromiografia. Apesar da doença não apresentar cura, o tratamento da Esclerose Lateral Amiotrófica é importante para melhorar a qualidade de vida do indivíduo.

Informações do Project MinE apontam que mais de 200.000 pessoas em todo o mundo vivem com esclerose lateral amiotrófica (ELA). A ELA também é conhecida como Doença do Neurônio Motor (CID G12.2) ou Doença de Lou Gehrig.

Nos últimos anos obtivemos progresso no entendimento da ELA. Abordamos sobre suas causas e sintomas da doença no artigo Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) - Causas e Sintomas.

Neste artigo, Dr Diego de Castro Neurologista e Neurofisiologista pela USP, explica o diagnóstico e tratamento da Esclerose Lateral Amiotrófica.

Diagnóstico da Esclerose Lateral Amiotrófica

Segundo a Mayo Clinic, a esclerose lateral amiotrófica é difícil de diagnosticar precocemente porque pode imitar outras doenças neurológicas.

Atualmente, o diagnóstico da Esclerose Lateral Amiotrófica segue uma recomendação internacional denominada Critérios de El Escorial. Para tanto o neurologista utiliza:

  • História Clínica de fraqueza progressiva
  • Exame Neurológico com evidência de:
    • Evidência de fraqueza e perda de força
    • Atrofia muscular
    • Fasciculações
    • Reflexos vivos ou exaltados
    • Sensibilidade preservada
  • Exames de Eletroneuromiografia (cabeça, membros superiores, membros inferiores e músculos abdominais ou das costas)
  • Exame de ressonância de encéfalo e coluna dorsal os quais são normais

Outros exames podem ser utilizados apenas para descartar a esclerose lateral. Eles são solicitados, mas no geral são normais. Estes exames incluem:

  • Exames de sangue e urina. Servem para afastar outras doenças que imitam a ELA.
  • Punção lombar. Pode ser útil na exclusão de condições inflamatórias, infiltrações neoplásicas ou infecções.
  • Biópsia muscular. Utilizada raramente quando há dúvida de miopatias.

Eletroneuromiografia no Diagnóstico de Esclerose Lateral Amiotrófica

De todos os exames a eletroneuromiografia é o mais importante para o diagnóstico de Esclerose Lateral Amiotrófica. Ela identifica a perda dos neurônios motores e demonstra a presença de denervação ou sinais de reinervação que são os responsáveis pela fraqueza. O exame é realizado pelo neurofisiologista que precisa de experiência na identificação da doença.

A eletroneuromiografia deve ser realizada em todos os segmentos do corpo de maneira muito completa, o que inclui:

  • Avaliação dos músculos da cabeça e pescoço (língua, músculos da mastigação e músculos cervicais)
  • Músculos dos membros superiores
  • Músculos dos membros inferiores
  • Músculos abdominais ou dorso

O neurofisiologista utiliza critérios eletroneuromiográficos para essa avaliação estabelecidos por uma padronização internacional (IFCN/Awaji).

Além disso, a eletroneuromiografia possibilita ainda o diagnóstico diferencial com miopatias e outras causas de lesão nervosa potencialmente tratáveis. Clique no link para saber mais sobre o exame de eletroneuromiografia (ENMG).

Neste vídeo abordamos os desafios do diagnóstico de Esclerose Lateral Amiotrófica e a importância do exame de eletroneuromiografia:

Tratamento da Esclerose Lateral Amiotrófica

Segundo o NINDS, ainda não foi encontrada cura para a ELA. O atual tratamento da Esclerose Lateral Amiotrófica visa ajudar a controlar os sintomas, prevenir complicações e facilitar o convívio com a doença.

Uma equipe integrada de médicos treinados em muitas áreas e outros profissionais de saúde pode gerenciar as seguintes abordagens de tratamento para prolongar sua sobrevivência e melhorar sua qualidade de vida:

Equipe Multidisciplinar no Tratamento da Esclerose Múltipla
A Equipe Multidisciplinar é Fundamental no Tratamento da Esclerose Lateral Ammiotrófica (ELA)

Medicamentos

A FDA dos EUA aprovou os medicamentos Riluzol (Rilutek) e Edaravona (Radicava) para tratar a ELA. Acredita-se que o riluzol reduza os danos aos neurônios motores, aumentando a sobrevida dos pacientes em 03-06 meses. Alguns pacientes podem apresentar retardo na progressão da doença, mas esse benefício não é universal.

O medicamento é disponível pelo SUS com o CID G12.2. Principalmente, para os pacientes que iniciam a doença com dificuldade de fala e deglutição o benefício da medicação é maior.

Nos Estados Unidos e Japão, também é aprovado o uso de edaravone. Estudos demonstraram que a medicação diminui o declínio na avaliação clínica do funcionamento diário em pessoas com ELA, principalmente na forma bulbar.

Também podem ser prescritos medicamentos para tratamento da Esclerose Lateral Amiotrófica visando gerenciar sintomas como:

  • Espasticidade e Cãibras musculares: Quinidina, Baclofeno, Carbamazepina,
  • Dor: Amitriptilina, Gabapentina, Analgésicos comuns, Opióides
  • Depressão e Ansiedade: Antidepressivos inibidores da recaptação de serotonina
  • Constipação intestinal e distensão abdominal: Óleo mineral, lactulose, laxativos, dimeticona
  • Salivação excessiva (Sialorréia): Atropina em gotas sublingual, Buscopam, Propantelina, Aplicação de toxina botulínica nas glândulas salivares (leia mais sobre toxina na salivação clicando aqui).

Fisioterapia

A fisioterapia é fundamental no tratamento da ELA. Um fisioterapeuta pode recomendar exercícios que ajudem a fortalecer os músculos não afetados, prevenir espasticidade dolorosa e encurtamento (contratura) dos músculos, melhorar a saúde cardiovascular e combater a fadiga e a depressão.

Em especial a fisioterapia respiratória melhora a função global do indivíduo, além de aumentar a capacidade pulmonar e orientar/ajustar o suporte ventilatório para os pacientes.

Suporte Respiratório

À medida que os músculos responsáveis ​​pela respiração começam a enfraquecer, as pessoas podem sentir falta de ar e dificuldade para respirar. A ventilação não invasiva (VNI) sob a forma de BiPAP refere-se ao suporte respiratório fornecido através de uma máscara sobre o nariz e / ou a boca, para melhorar a qualidade de vida e ajudar a prolongar a sobrevivência.

Inicialmente, a VNI pode ser necessária apenas à noite. Quando os músculos não são mais capazes de manter os níveis normais de oxigênio e dióxido de carbono, a VNI pode ser usada em período integral. Segundo pesquisa da Degenerative and Neuromuscular Disease, o suporte ventilatório com VNI alivia os problemas respiratórios e prolonga a sobrevivência da ELA.

O ajuste inicial e ao longo da doença deve ser acompanhado de perto pelo fisioterapeuta respiratório.

Fonoaudiologia

O trabalho com um fonoaudiólogo pode implementar estratégias adaptativas para que a pessoa consiga falar mais alto e com mais clareza. À medida que a doença progride, os fonoaudiólogos podem ajudar as pessoas a manter a capacidade de se comunicar.

Igualmente importante é o trabalho desses profissionais para possibilitar a alimentação por boca e prevenir complicações como aspiração e pneumonias. Por meio do trabalho deles a sonda nasoenteral ou gastrostomia é indicada no momento adequado.

Suporte Nutricional

Os nutricionistas podem planejar pequenas refeições ao longo do dia, com alimentos mais fáceis de engolir, que forneçam calorias, fibras e fluidos suficientes.

Com o tempo, pode ser necessário usar dispositivos de sucção para remover excesso de líquidos ou saliva e evitar engasgos. Quando as pessoas não conseguem mais alimentar-se de forma suficiente, torna-se necessária a inserção de um tubo de alimentação no estômago (gastrostomia), que reduz o risco de asfixia e pneumonia resultantes da inalação de líquidos nos pulmões.

Terapia Ocupacional

Os terapeutas ocupacionais podem sugerir dispositivos como rampas, aparelhos, andadores e cadeiras de rodas que ajudam as pessoas a poupar sua energia e permanecerem móveis.

Além disso, fornecem órteses que previnem contraturas, estabilizam as articulações, prevenindo a dor e diminuindo impacto de deformidades.

Suporte Psicológico e Social

Psicólogos e assistentes sociais podem fornecer apoio para você e sua família em relação a questões emocionais, problemas financeiros, obtenção de equipamentos e dispositivos necessários.

As pessoas afetadas pela ELA e suas famílias enfrentam um grande desafio de se adaptar a um novo modo de vida. Não deixe de conversar com sua equipe médica sobre seus sentimentos e como lidar com eles, após o diagnóstico de ELA e à medida que a doença progride.

Neste vídeo abordamos um pouco sobre o tratamento da ELA em especial o uso do Riluzol:

Tratamento da Esclerose Lateral Amiotrófica - Dr Diego de Castro Neurologista

Dr Diego de Castro é Neurologista pela USP, especialista em doenças neurogenéticas e neuromusculares. Atualmente é colaborador do ambulatório de Neurogenética dessa instituição, onde cuida de doenças raras.

É comum que filhos de pacientes procurem na internet sobre a doença, principalmente sobre o risco de desenvolverem a condição. Há muitos genes fatores envolvidos, inclusive emocionais, que precisamos considerar. Busque adequado aconselhamento com um profissional responsável e que tenha experiência no assunto.

Gostou desse artigo? Compartilhe com alguém! Siga-nos nas redes sociais!

Leia nossos outros artigos sobre doenças raras, doenças neuromusculares e neurogenéticas:

Dr Diego de Castro Neurologista em Vitória: Avenida Americo Buaiz, 501 - Victória Office Tower - Torre Leste - Enseada do Suá, Vitória - ES, 29050-911
(27) 99707-3433


Compartilhe

Posts mais Populares

Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter e receba em seu e-mail todos os nossos novos artigos.

Dr Diego de Castro dos Santos
Dr Diego de Castro Neurologista
Dr Diego de Castro dos Santos é Neurologista pela USP e responsável pelo Serviço de Especialidades Neurológicas – Eletroneuromiografia. Atua como neurologista em Vitória Espírito Santo ES e em São Paulo no tratamento de Dor de Cabeça, Depressão, Doença de Parkinson, Miastenia gravis e outras doenças. Também se dedica a reabilitação de pacientes com AVC, distonias e crianças com paralisia cerebral, por meio de aplicação de toxina botulínica (Botox) e neuromodulação.
Dúvidas? Sugestões?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DR DIEGO DE CASTRO

Dr. Diego de Castro dos Santos
Neurofisiologia clínica - RQE 74154
Neurologia - RQE 74153
Diretor Clínico Autor e Responsável Técnico pelo Site – Mantenedor.

Missão do Site: Prover Soluções cada vez mais completas de forma facilitada para a gestão da saúde e o bem-estar das pessoas, com excelência, humanidade e sustentabilidade. Destinado ao público em geral.
NEUROLOGISTA EM SÃO PAULO – SP
CRM-SP 160074

R. Itapeva, 518 - sala 901
Bela Vista - São Paulo - SP 
CEP: 01332-904

Telefones:
(11) 3262-4745
(11) 98758-7663

NEUROLOGISTA VITÓRIA – ES
CRM-ES 11.111

Av. Américo Buaiz, 501 – Sala 109
Ed. Victória Office Tower Leste, Enseada do Suá, Vitória – ES, CEP: 29050-911

Telefones:
(27) 99707-3433
(27) 99886-7489

magnifier linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram