Eletroneuromiografia de Laringe

/, Eletroneuromiografia, Geral/Eletroneuromiografia de Laringe

Eletroneuromiografia de Laringe

Compartilhe

A eletroneuromiografia da laringe ou eletromiografia de laringe (EMG) é um exame especializado utilizado para avaliar as lesões nervosas que acometem a laringe, especialmente aquelas que envolvem alterações na mobilidade das pregas vocais. Sua realização é particularmente útil nos pacientes com alterações da voz por comprometimento do nervo laríngeo recorrente e do nervo laríngeo superior (principais nervos relacionados a fala, fonação).

A eletroneuromiografia da laringe pode auxiliar a identificar causas neurológicas de disfonia e lesão dos nervos laríngeos em condições como mudanças da voz, tremores vocais, condições pré-operatórias, tumores do pescoço, pós-radioterapia, distúrbios do neurônio motor inferiores, distonia laríngea e outras condições. O exame de eletroneuromiografia também auxilia na determinação do prognóstico e localização da lesão, pois é o método mais objetivo para medir a atividade dos músculos da laringe.

Neste artigo, Dr Diego de Castro Neurologista e Neurofisiologista pela USP, explica sobre as condições que podem afetar a laringe e como o Exame de Eletroneuromiografia ajuda no seu diagnóstico.

Para que serve a Eletroneuromiografia de Laringe

estudos neurofisiológico da laringe por meio da eletroneuromiografia laríngea (LENMG) serve para diagnosticar e avaliar a função neuromuscular e para o diagnóstico diferencial de alterações vocais (disfonia) secundárias a doenças laríngeas específicas ou a outras alterações mais gerais e processos que afetam a laringe.

A disfunção da laringe pode ser causada por lesões nos nervos laríngeos, lesões nos músculos inervados por esses nervos, anormalidades na transmissão neuromuscular, alterações do sistema nervoso central ou alterações nas articulações.

Outras condições que também podem afetar a laringe incluem doenças musculares generalizadas com disfonia como sintoma inicial. Doenças degenerativas dos neurônios motores como Esclerose Lateral Amiotrófica, neuropatias periféricas generalizadas; miastenia gravis e lesões do sistema nervoso central como distonias que podem levar a movimentos anormais dos músculos laríngeos.

O estudo neurofisiológico da laringe também é útil para estabelecer um prognóstico da recuperação nos pacientes com lesão do nervo laríngeo após trauma, tumor ou cirurgia de cabeça e pescoço.

Pacientes que apresentam disfonia flutuante com fadiga acentuada podem ser submetidos a estímulos repetitivos para estudar a transmissão neuromuscular, avaliando a possibilidade de miastenia. Essa técnica é conduzida usando eletrodos de superfície para estimulação do nervo laríngeo superior e registro de atividade do músculo cricotireoideo. Os pacientes também podem ser submetidos à eletroneuromiografia de fibra única.

A EMG também pode ser necessária para o diagnóstico diferencial de pacientes que apresentam movimentos anormais, como na distonia laríngea. Este estudo é essencial para o tratamento subsequente com toxina botulínica. Neste artigo, abordamos o procedimento com mais detalhes.

Como a eletroneuromiografia avalia os Nervos Laríngeos?

Entendendo o funcionamento dos nervos da laringe

Os nervos laríngeos constituem os nervos responsáveis pela sensibilidade e movimentação da laringe para fala e respiração. A laringe desempenha funções indispensáveis para a manutenção da vida. Para a manutenção dessas funções, é necessária uma perfeita integração entre as suas vias nervosas aferentes (sensibilidade) e eferentes (motora). Distúrbios nessas vias neurais podem ser a causa de dificuldades respiratórias, assim como de alterações na voz.

Todos os músculos da laringe são inervados pelo nervo laríngeo recorrente, com exceção do músculo cricotireoideo, que é inervado pelo ramo externo do nervo laríngeo superior.

O comprometimento da função do nervo laríngeo recorrente pode ser identificado pela presença de fraqueza de grau variável na voz falada. Quando o nervo laríngeo superior é atingido, observa-se dificuldade para ajustar a altura da voz e também a emissão de voz cantada. No nervo laríngeo recorrente, quando a lesão é unilateral (no nervo esquerdo ou direito), ocorre rouquidão e dificuldade para falar (disfonia). A lesão bilateral pode levar à perda de voz (afonia) e um som agudo e alto na inspiração.

Qual a Importância da Eletroneuromiografia de Laringe?

Alterações na função do nervo laríngeo com comprometimento da mobilidade da prega vocal podem ser identificadas por meio da laringoscopia. Contudo, alterações decorrentes da perda de função do músculo cricotireoideo (CT), inervado pelo nervo laríngeo superior, são pouco evidentes e seu diagnóstico, mesmo por meio da videolaringoscopia, é dificultado.

Assim, casos isolados de paralisia ou paresia do nervo laríngeo superior, em que a mobilidade das pregas vocais está preservada, são de difícil diagnóstico. Infelizmente, esta condição é frequente nos profissionais da voz.

O diagnóstico de lesão do nervo laríngeo superior é feito por meio da EMG do músculo cricotireoideo, de fácil acesso no pescoço, enquanto que o acesso aos músculos inervados pelo nervo laríngeo recorrente necessita de conhecimento preciso da anatomia laríngea e experiência com a técnica, para uma adequada realização deste exame.

Como a Eletroneuromiografia de Laringe é Realizada?

Para estudos laríngeos, o indivíduo pode estar em decúbito dorsal com hiperextensão cervical, já que nesta posição é mais fácil para realizar o exame, sendo melhor tolerada pelos pacientes. Entre as técnicas de eletroneuromiografia, a eletroneuromiografia da laringe é a mais incômoda.

Geralmente, o exame obedece à seguinte ordem de procedimentos, iniciando-se pelo lado esquerdo, seguido do exame do lado direito:

  1. Palpação do pescoço e identificação das estruturas anatômicas para o posicionamento da agulha;
  2. Introdução do eletrodo de agulha, por punção percutânea da pele, para identificação do músculo cricotireoideo;
  3. Introdução da agulha utilizando-se a mesma punção percutânea;
  4. Introdução da agulha por nova punção percutânea na pele, para alcançar o músculo músculo cricoaritenoideo lateral.

A EMG é realizada para a avaliação de atividade espontânea e voluntária e os dados são gravados para a análise posterior. De cada músculo, é registrada a atividade elétrica durante o repouso, (respiração normal) e durante a fonação da vogal “i”, em intensidade e frequência habituais durante o exame de ambos os músculos. O músculo cricotireoideo também é avaliado durante a emissão de sons agudos.

Quais os resultados da eletroneuromiografia de laringe?

A análise do registro da EMG demonstra as atividades de inserção e as atividades espontâneas durante o repouso, bem como das atividades durante a fonação. Atividade de inserção significa a resposta elétrica obtida durante a introdução da agulha no músculo. Ela é gerada por processo mecânico, devido a penetração da agulha na fibra muscular. As atividades espontâneas são geradas espontaneamente enquanto o músculo permanece em repouso e a agulha está imóvel.

Quando o comprometimento é causado por alterações na articulação cricoaritenoidea, os estudos EMG e ENG produzem resultados normais. Em alguns casos, a disfonia é causada por alterações musculares locais ou generalizadas, como polimiosite que se manifesta com disfonia. Nesses casos, os eletrodos de agulha concêntricos inseridos nos músculos da laringe detectam o aumento da atividade de inserção, bem como qualquer atividade espontânea.

Quando existe algum tipo de dano nos nervos, como paralisia dos nervos laríngeos secundários a uma cirurgia; ou de doença dos neurônios motores, identificamos sinais de lesão neuronal em repouso. A amplitude do sinal depende do estágio do processo patológico.

Quando realizar Eletroneuromiografia de Laringe?

Estudos de eletroneuromiografia são altamente úteis e relevantes para o diagnóstico de doenças neuromusculares envolvendo nervos ou músculos da laringe, como nas disfunções neurogênicas, da junção neuromuscular e nas miopatias.

A realização deste exame na laringe, contudo, envolve particularidades muito específicas. Assim, para a sua realização, é necessário conhecimento anatômico das estruturas laríngeas, especialmente a localização dos músculos. Um profundo conhecimento da fisiopatologia das condições que podem comprometer sua função como órgão protetor das vias aéreas e responsável pela emissão vocal também é necessário.

Dr Diego de Castro é médico Neurologista pela USP, especialista em Eletroneuromiografia e Doenças Neuromusculares com experiência no diagnóstico e acompanhamento de pacientes com distúrbios da laringe.

Com o propósito de oferecer um exame de excelência e confiança, o Serviço de Eletroneuromiografia SP – Dr Diego de Castro realiza a eletroneuromiografia de laringe em São Paulo com qualidade reconhecida pela Sociedade Brasileira de Neurofisiologia Clínica. Temos a missão de contribuir para a melhora da qualidade de vida de pessoas. Oferecemos uma avaliação neurológica com uma eletroneuromiografia de qualidade, capaz de auxiliar na definição diagnóstica de seus sintomas.

Se você tiver dúvidas sobre nossa abordagem e a realização deste procedimento, entre em contato e deixe-nos ajudar. Veja abaixo nossas informações de contato para agendamento de consultas ou realização do exame de eletroneuromiografia:

Dr Diego de Castro Neurologista & Neurofisiologista

R. Itapeva, 518 – sala 901 – Bela Vista, São Paulo – SP, 01332-904

Telefone: (11) 3262-4745

Especialidades Neurológicas – Eletroneuromiografia

Avenida Americo Buaiz, 501 – Victória Office Tower – Torre Leste – Enseada do Suá, Vitória – ES, 29050-911, próximo ao Shopping Vitória.

Telefone: (27) 99707-3433


Compartilhe
2019-10-27T19:08:29+00:00 quarta-feira 16 de outubro 2019|Doenças Neuromusculares, Eletroneuromiografia, Geral|0 Comentários

Dúvidas e ou Sugestões?

Informações de Contato

Avenida Americo Buaiz, 501 – Victória Office Tower – Torre Leste – Enseada do Suá, Vitória – ES, 29050-911, próximo ao Shopping Vitória.

Phone: (27) 99707-3433

Web: Dr Diego de Castro