São Paulo: (11) 3504-4304 | Vitória: (27) 99707-3433 - (27) 99886-7489

Escara Sacral - Sintomas e Causas

Dr Diego de Castro
10/07/2024
Compartilhe

Segundo artigo publicado na Diagnostics (Basel, Switzerland), a Escara Sacral, condição também chamada de úlcera por pressão ou úlcera de decúbito, é um dano localizado da pele e/ou de tecidos subjacentes, causado por pressão especialmente em proeminências ósseas. Estas lesões são um importante problema clínico em pacientes hospitalizados com mobilidade reduzida.

Várias doenças neurológicas, como lesões medulares, acidente vascular cerebral, esclerose múltipla ou doença de Parkinson podem apresentar alterações de força, sensibilidade, estado de consciência e/ou cognitivas, podendo ser mais vulneráveis a tais lesões.

Neste artigo, Dr Diego de Castro, Neurologista e Neurofisiologista pela USP, explica sobre as causas e sintomas da escara sacral.

Compreendendo a Escara Sacral

De acordo com a Mayo Clinic, uma escara sacral é uma lesão na pele que ocorre devido à pressão prolongada sobre a região sacral. As escaras são feridas que se desenvolvem quando a pressão contínua restringe o fluxo sanguíneo para uma área específica do corpo, resultando na morte do tecido.

Essas lesões são comuns em pessoas que passam longos períodos de tempo na mesma posição, como pacientes acamados, idosos ou indivíduos com mobilidade limitada.

A região sacral é particularmente vulnerável a escaras devido à pressão exercida quando alguém permanece sentado ou deitado por um período prolongado sem mudar de posição. Fatores como umidade, fricção, má nutrição e condições médicas podem aumentar o risco de desenvolver escaras.

O que Pode Causar uma Escara Sacral?

Informações da Cleveland Clinic explicam que a pressão contra a pele que limita o fluxo sanguíneo para a pele é o principal fator que causa escaras. O movimento limitado também pode tornar a pele propensa a danos e causar escaras. Veja a seguir as principais situações em que isso pode acontecer:

  • Pressão. A pressão constante em qualquer parte do corpo pode diminuir o fluxo sanguíneo para os tecidos. O fluxo sanguíneo é essencial para fornecer oxigênio e outros nutrientes aos tecidos. Sem esses nutrientes-chave, a pele e os tecidos próximos são danificados e podem morrer com o tempo. Para pessoas com mobilidade limitada, a pressão tende a acontecer em áreas que não são bem acolchoadas com músculo ou gordura e que ficam sobre um osso. Essas áreas incluem a coluna, cóccix, omoplatas, quadris, calcanhares e cotovelos.
  • Fricção. O atrito ocorre quando a pele se esfrega contra roupas ou roupas de cama. Pode tornar a pele frágil mais vulnerável a lesões, especialmente se a pele também estiver úmida.
  • Tensão. Ocorre quando duas superfícies se movem na direção oposta. Por exemplo, quando a cabeceira de uma cama é levantada, a pessoa pode deslizar para baixo na cama. À medida que o cóccix se move para baixo, a pele sobre o osso pode permanecer no lugar, puxando na direção oposta.

O risco de desenvolver escaras é maior se você tem dificuldade para se mover e não pode mudar de posição facilmente enquanto está sentado ou deitado na cama. Os principais fatores de risco incluem:

  • Imobilidade: pode ser devido a problemas de saúde, lesão na medula espinhal ou outra causa
  • Incontinência: a pele torna-se mais vulnerável com a exposição prolongada a urina ou fezes
  • Falta de percepção sensorial: lesões na medula espinhal, distúrbios neurológicos e outras condições podem fazer você perder a sensibilidade. Se você não consegue sentir dor ou desconforto, não estará atento aos sinais de alerta e à necessidade de mudar de posição.
  • Má nutrição e hidratação: as pessoas precisam de líquidos, calorias, proteínas, vitaminas e minerais suficientes todos os dias para manter a pele saudável e evitar a degradação dos tecidos
  • Condições médicas que afetam o fluxo sanguíneo: podem aumentar o risco de danos nos tecidos, como escaras. Exemplos desses tipos de condições médicas são diabetes e doenças vasculares.
  • Idade: pessoas com mais de 70 anos são mais propensas a desenvolver escaras.
Como Reconhecer uma Úlcera de Pressão?

Como Reconhecer uma Úlcera de Pressão?

É importante identificar os primeiros sinais de uma úlcera de pressão para prevenir complicações graves. De acordo com o NHS, estes são os sinais aos quais você pode se atentar:

  • Primeiros sinais. Um dos primeiros sinais de uma possível ferida na pele é uma área avermelhada, descolorida ou escurecida (a pele de um afro-americano pode parecer roxa, azulada ou brilhante). Pode parecer duro e quente ao toque.
  • Uma úlcera de pressão começou se você remover a pressão da área avermelhada por 10 a 30 minutos e a cor da pele não voltar ao normal após esse tempo.
  • Teste de branqueamento: Pressione a área vermelha, rosa ou escurecida com o dedo. A área deve ficar branca; Retire a pressão e a área deve retornar à cor vermelha, rosa ou escurecida em poucos segundos, indicando bom fluxo sanguíneo. Se a área permanecer branca, o fluxo sanguíneo foi prejudicado e os danos começaram.
  • A pele escura pode não ter branqueamento visível mesmo quando saudável, por isso é importante procurar outros sinais de danos, como mudanças de cor ou dureza em comparação com as áreas circundantes.
  • Aviso: O que você vê na superfície da pele é muitas vezes a menor parte da ferida, e isso pode enganá-lo a pensar que você só tem um pequeno problema. Mas os danos à pele causados pela pressão não começam na superfície da pele. A pressão geralmente resulta dos vasos sanguíneos sendo espremidos entre a superfície da pele e o osso, de modo que os músculos e os tecidos sob a pele perto do osso sofrem os maiores danos. Toda ferida de pressão vista na pele, não importa quão pequena, deve ser considerada grave por causa do provável dano abaixo da superfície da pele.

Utilizamos um sistema de estadiamento para determinar a gravidade de uma úlcera por pressão. Os estágios são baseados na profundidade das feridas, o que pode afetar a forma como elas são tratadas.

Os estágios de escaras ou úlceras de pressão incluem:

  • Estágio 1: A pele parece vermelha ou rosa, mas não há uma ferida aberta. Pode ser difícil para pessoas com pele mais escura ver uma mudança de cor. A pode estar sensível ao toque ou mais quente, fria, macia ou firme do que normalmente.
  • Estágio 2: Uma ferida rasa com uma base rosa ou vermelha se desenvolve. Você pode ver perda de pele, abrasões e bolhas.
  • Estágio 3: Uma ferida perceptível pode entrar na camada gordurosa da pele (a hipoderme).
  • Estágio 4: A ferida penetra nas três camadas da pele, expondo músculos, tendões e ossos do sistema musculoesquelético.

Se encontradas precocemente, há uma boa chance de cicatrizarem em poucos dias, com pouca dor. Sem tratamento, no entanto, podem levar a algumas complicações.

As complicações das úlceras de pressão incluem:

  • Celulite. A celulite é uma infecção da pele e tecidos moles conectados. Pode causar calor e inchaço da área afetada. A pele pode mudar de cor ou parecer inflamada. Pessoas com danos nos nervos muitas vezes não sentem dor na área que a celulite afeta.
  • Infecções ósseas e articulares. Uma infecção de uma escara pode afetar articulações e ossos. Infecções articulares, como artrite séptica, podem danificar cartilagem e tecido. As infecções ósseas, também conhecidas como osteomielite, podem reduzir a função das articulações e dos membros.
  • Câncer. A úlcera de Marjolin é uma condição que evolui da degeneração maligna de feridas crônicas não cicatrizadas, podendo se tornar um tipo de carcinoma de células escamosas.
  • Sepse. Em casos mais raros de úlcera de pele não tratada, pode ocorrer sepse, que é uma complicação fatal da infecção, quando ela atinge a corrente sanguínea.

Diagnóstico e Tratamento

Embora o tratamento direto da escara sacral seja muitas vezes gerenciado por especialistas em cuidados de feridas, enfermeiros ou médicos especializados em medicina física e reabilitação, o papel do Neurologista é valioso na compreensão das causas, na avaliação do sistema nervoso e no planejamento do tratamento a longo prazo para prevenir recorrências e complicações relacionadas a problemas neurológicos.

Continue acompanhando nosso blog, pois em nosso próximo artigo vamos abordar estes processos.

Dr Diego de Castro Neurologista e Neurofisiologista

Dr Diego de Castro é Neurologista da USP e se dedica integralmente ao universo do diagnóstico e assistência. Cuida de pacientes que sofreram AVC ou lidam com doenças neurológicas como Parkinson, lesão medular ou Esclerose Múltipla, por meio de uma avaliação neurológica elaborada dos sintomas motores e cognitivos do paciente e da aplicação de toxina botulínica (Botox).

Compartilhe este artigo! Siga-nos nas redes sociais!

Continue aprendendo lendo nossos outros artigos:

Veja abaixo nossas informações de contato para agendamento de consultas:

Avenida Américo Buaiz, 501 – Ed. Victória Office Tower Leste, Sala 109 - Enseada do Suá, Vitória - ES, 29050-911

Tel: (27) 99707-3433

R. Itapeva, 518 - sala 901 Bela Vista - São Paulo - SP, CEP: 01332-904

Telefones: (11) 3504-4304

Posts Relacionados:


Compartilhe
Posts mais Populares
Acompanhe nosso Podcast!
Escute nossos conteúdos em áudio, na sua plataforma preferida:
Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter e receba em seu e-mail todos os nossos novos artigos.

Dr Diego de Castro dos Santos
Neurologia - Dr Diego de Castro
Dr Diego de Castro dos Santos é Neurologista pela USP e responsável pelo Serviço de Especialidades Neurológicas – Eletroneuromiografia. Atua como neurologista em Vitória Espírito Santo ES e em São Paulo no tratamento de Dor de Cabeça, Depressão, Doença de Parkinson, Miastenia gravis e outras doenças. Também se dedica a reabilitação de pacientes com AVC, distonias e crianças com paralisia cerebral, por meio de aplicação de toxina botulínica (Botox) e neuromodulação.
Dúvidas? Sugestões?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


DR DIEGO DE CASTRO

Dr. Diego de Castro dos Santos
Neurofisiologia clínica - RQE 74154
Neurologia - RQE 74153
Diretor Clínico Autor e Responsável Técnico pelo Site – Mantenedor.

Missão do Site: Prover Soluções cada vez mais completas de forma facilitada para a gestão da saúde e o bem-estar das pessoas, com excelência, humanidade e sustentabilidade. Destinado ao público em geral.
NEUROLOGISTA EM SÃO PAULO – SP
CRM-SP 160074

R. Itapeva, 518 - sala 901
Bela Vista - São Paulo - SP 
CEP: 01332-904

Telefones:
(11) 3504-4304
(11) 98758-7663

NEUROLOGISTA VITÓRIA – ES
CRM-ES 11.111

Av. Américo Buaiz, 501 – Sala 109
Ed. Victória Office Tower Leste, Enseada do Suá, Vitória – ES, CEP: 29050-911

Telefones:
(27) 99707-3433
(27) 99886-7489

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Ao continuar navegando em nosso site, você concorda com o uso de cookies. Leia nossa política de privacidade/cookies para saber mais informações.
magnifier
× Como posso ajudar?
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram