Insônia e Dificuldade para Dormir – Saiba Mais

/, Distúrbios do Sono, Neurologia, Sono/Insônia e Dificuldade para Dormir – Saiba Mais

Insônia e Dificuldade para Dormir – Saiba Mais

Compartilhe

Quase todo mundo passa por fases de insônia e dificuldade para dormir de vez em quando. Muitas dessas situações são precipitadas por situações pontuais de estresse, demandas afetivas, psíquicas ou do trabalho.  

No entanto, problemas pontuais de sono podem se somar e se tornar uma rotina. A insônia crônica é marcada por sono de má qualidade, dificuldade em adormecer, permanecer dormindo ou dificuldade em acordar cedo demais. Aproximadamente 50 a 70 milhões de americanos apresentam um distúrbio do sono ou da vigília. A insônia tem efeitos importantes no humor, bem como no estado de alerta, motivação, raciocínio, aprendizado e também é um sintoma importante da depressão.

Continue a leitura e saiba mais sobre esta condição e suas formas de tratamento.

Insônia e Dificuldade para Dormir

Se uma pessoa levar 30 minutos ou mais para adormecer, ou permanecer acordado por 30 minutos ou mais durante a noite, pelo menos três vezes por semana, pode-se considerar que está sofrendo de insônia. Existem várias maneiras de descrever a insônia:

  • Insônia aguda – Um breve episódio de dificuldade em dormir, geralmente causada por um evento da vida, como uma mudança estressante no trabalho, receber más notícias ou viajar. Muitas vezes a insônia aguda pode ser resolvida sem nenhum tratamento.
  • Insônia crônica – Um padrão de longo prazo de dificuldade para dormir. A insônia é considerada crônica se uma pessoa tem dificuldade em adormecer ou permanecer dormindo pelo menos três noites por semana durante três meses ou mais.
  • Insônia comórbida – Insônia que ocorre com outra condição. Sintomas psiquiátricos – como ansiedade e depressão – são conhecidos por estarem associados a mudanças no sono. Certas condições médicas, como artrite ou dor nas costas, podem causar insônia ou tornar a pessoa desconfortável à noite, o que pode dificultar o sono.

Insônia e Dificuldade para Dormir – Causas

O estresse é a principal causa da insônia, mas também existem condições físicas que podem trazer a condição, incluindo apneia do sono, doenças da tireoide, uso de certos medicamentos e problemas gastrointestinais, como o refluxo gastroesofágico. Para um diagnóstico adequado, é necessário descartá-las primeiro.

A falta de atividade física suficiente durante o dia pode interferir com o desejo do corpo de dormir. O abuso de substâncias também pode ser um grande disruptor do sono.

A insônia também pode ocorrer em resposta a como as pessoas lidam com uma noite ruim ou com algumas noites ruins de sono, ao tentar compensar um breve período de insônia dormindo até mais tarde, cochilando à tarde, ingerindo bebidas alcoólicas antes de dormir ou indo para a cama cedo. Mas essas ações apenas diminuem a pulsão natural do sono ou causam uma vigília mais precoce. Como o cérebro ansioso aprende rapidamente a associar o quarto à vigília, um ciclo autodestrutivo assume vida própria.

Algumas pessoas correm o risco de insônia em virtude de fatores ambientais como o trabalho por turnos e o jet lag. Pessoas que não recebem exposição suficiente à luz do sol durante o dia também podem ter problemas para dormir. E fatores como beber muita cafeína ou superaquecer um quarto também podem interferir no sono.

Insônia e Dificuldade para Dormir – Sintomas

As pessoas com insônia podem sentir-se insatisfeitas com o sono e geralmente apresentam um ou mais dos seguintes sintomas: fadiga, falta de energia, dificuldade de concentração, distúrbios do humor e diminuição do desempenho no trabalho ou na escola.

Indivíduos com insônia também podem experimentar habilidades de enfrentamento enfraquecidas, dificuldade em prestar atenção e concentrar-se, problemas de memória e dificuldade para realizar tarefas de rotina.

Mas acima de tudo, a insônia afeta o humor. Este distúrbio crônico do sono parece ser o maior desencadeador de depressão e irritabilidade. A conexão entre o humor e o sono geralmente se manifesta em um ciclo frustrante para quem sofre de qualquer condição. Ansiedade e ruminação os mantém acordados à noite, e a falta de sono reparador desencadeia um estado de espírito pior no dia seguinte. A relação entre depressão e insônia também pode complicar o tratamento no caso de certos medicamentos e terapias.

insonia-dificuldades-para-dormir

Insônia e Dificuldade para Dormir – Tratamentos

Uma crise de insônia de curto prazo geralmente não precisa de tratamento específico. É importante não compensar o sono perdido ficando mais tempo na cama ou cochilando durante o dia.

A insônia crônica responde bem aos tratamentos comportamentais. Eles visam eliminar a ansiedade e interromper os comportamentos que acabam piorando e perpetuando a condição. A terapia cognitiva comportamental, por exemplo, ajuda a trabalhar os pensamentos e ações que perturbam o sono. Também é possível incluir treinamento de relaxamento para reduzir a ansiedade.

Muitos indivíduos ignoram os fatores psíquicos causadores da insônia, como dificuldades de relacionamento, medos e estresse. E pior, acabam buscando medicamentos para dormir. Quase a totalidade desses remédios apresenta efeitos colaterais a longo prazo e principalmente perda de eficácia. Isto causa uma necessidade de aumento constante de suas doses. Para um subgrupo de pacientes, os remédios não apresentam efeito. Além disso, muitos tornam-se viciados na medicação e não conseguem permanecer sem seu uso. Portanto, medicamentos para insônia crônica devem ser usados com restrições e sempre sob acompanhamento médico.

A Higiene do Sono

Além da terapia cognitivo comportamental indivíduos com insônia se beneficiarão da criação de um espaço tranquilo apenas para o sono. É importante que este e seja escuro e confortavelmente fresco. Todos os tratamentos eficazes para insônia incentivam a prática da higiene do sono, hábitos que incluem:

  • Dormir e acordar na mesma hora todos os dias (inclusive nos fins de semana);
  • Praticar a meditação simples antes de dormir;
  • Praticar níveis adequados de exercício durante o dia;
  • Limitar o consumo de cafeína, restringindo-o às manhãs;
  • Evitar o álcool, que é um ótimo disruptor do sono;
  • Manter o quarto escuro, especialmente quando anoitece;
  • Manter o quarto fresco.

Também pode ser útil manter um diário e compartilhar suas experiências de insônia com seu parceiro ou outro ente querido de confiança. Lembre-se: a insônia é, na maior parte, temporária e pode ser tratada a tempo.

Você deve procurar ajuda médica se a insônia se tornar um padrão, ou se você se sentir fatigado durante o dia e isso interferir na sua vida diária. O médico neurologista possui conhecimento e treinamento adequados para tratar sua insônia e o guiará pelos próximos passos. Estes podem envolver uma avaliação clínica e a realização de um estudo do sono.

Determinar qual medicamento pode ser certo para você depende dos sintomas da insônia e de muitos fatores de saúde diferentes. Por este motivo, é importante consultar um médico antes de tomar um medicamento para dormir, por conta própria.


Compartilhe
2019-06-02T20:35:28+00:00 quarta-feira 10 de abril 2019|Depressão, Distúrbios do Sono, Neurologia, Sono|0 Comentários

Dúvidas e ou Sugestões?

Informações de Contato

R. Sampaio Viana, 253 - cj123 Paraíso São Paulo - CEP: SP 04004-000

Phone: 11 2638-3067 / 98977-2982

Web: Dr Diego de Castro