São Paulo: (11) 98758-7663 - (11) 3262-4745 | Vitória: (27) 99707-3433 - (27) 99886-7489

Migrânea - Causas e Tratamento

Dr. Diego de Castro dos Santos29/05/2020,
Compartilhe

O que é a Migrânea?

Migrânea é um tipo de dor de cabeça latejante conhecida popularmente como enxaqueca. O nome migrânea tem origem grega "hemi" "metade" "kranion" "cabeça" e designa a dor que afeta metade da cabeça.

Segundo o NHS, a migrânea geralmente é uma dor latejante ou pulsante de moderada a forte intensidade que afeta um lado da cabeça.  Além da dor, ela é associada a fenômenos de incômodo a luz, barulho, irritabilidade e lentidão mental.

De acordo com a Academia Americana de Neurologia, a migrânea pode afetar cerca de 10% dos adultos, sendo mais comum em mulheres. Ela pode ocorrer ocasionalmente (migrânea episódica) ou quase que diariamente (migrânea crônica) e estar associada a outros sintomas neurológicos.

Neste artigo, Dr Diego de Castro Neurologista pela USP explica o que é a migrânea, tipos, sintomas, causas e tratamentos.

Migrânea - Sintomas

Segundo The Migraine Trust, os sintomas da migrânea podem ser incapacitantes e prejudicar a vida social e capacidade laboral dos indivíduos. Os sintomas mais comuns são:

  • Dor na região da testa (frontal) ou no lado da cabeça (temporal)
  • A dor "lateja" ou "pulsa"
  • Os episódios são em ataques (crises de dor) com duração de 4 - 72 horas
  • Os pacientes apresentam aversão a diversos estímulos sensoriais:
    • Luz (Fotofobia)
    • Ruídos (Fonofobia)
    • Cheiros forte (Osmofobia)
  • A dor pode ser associada a náusea ou vômitos
  • Após término de uma crise, há sonolência ou lentidão mental

Em cerca de 25% dos casos, o ataque de migrânea é antecedido por uma série de sintomas neurológicos denominados aura. A aura migranosa pode assustar muito os pacientes, principalmente nos primeiros episódios. Os sintomas da aura são transitórios, duram cerca de 15-60 min e incluem:

  • Sintomas visuais
    • Embaçamento visual
    • Pontos luminosos na visão que se movimentam (moscas volantes)
    • Apagamento de parte do campo visual (escotomas)
  • Sintomas sensitivos
    • Dormência na face
    • Dormência em metade do corpo ou no corpo todo
  • Sintomas de Tronco cerebral
    • Zumbido no ouvido
    • Vertigem ou Tontura
    • Visão dupla

Os pacientes tendem a apresentar um mesmo padrão de aura. Ela costuma ser "o aviso" de que a dor de cabeça começará logo depois ao seu término.

Migrânea

Tipos

Pesquisas da Revista Cephalalgia mostram que a migrânea pode ser classificada em diferentes tipos:

  • Quanto a frequência da dor de cabeça:
    • Episódica - Forma mais comum. Ocorre ocasionalmente em forma de ataques ao longo do ano
    • Crônica -  Os ataques de dor de cabeça latejante ocorrem 15 dias ou mais por mês durante mais de 3 meses
    • Transformada - A dor de cabeça ao invés de latejante se tornou em aperto e em peso. É resultado da falta de tratamentos ou medicamentos inadequados
  • Quanto a presença de fenômeno de aura:
    • Migrânea com aura - Os ataques de dor de cabeça são antecedidos por alterações visuais, dormências ou vertigem
    • Migrânea sem aura - Forma mais comum. A dor geralmente se inicia com náusea e aversão a estímulos
    • Aura sem migrânea - Situação em que há o fenômeno de aura isoladamente, sem dor de cabeça

Migrânea - Causas

As causas precisas da migrânea ainda não são esclarecidas. No entanto, pesquisa da Revista Nature aponta para uma série de alterações cerebrais como:

  • Células nervosas (neurônios) hiperexcitáveis produzem respostas anormais a estímulos sensoriais
  • Hiperativação dos neurônios do gânglio trigeminal e de seus prolongamentos sobre os vasos sanguíneos (sistema trigeminovascular)
  • Atividade elétrica cerebral que se difunde sobre todo cérebro como uma onda
  • Alterações do fluxo sanguíneo cerebral durante a aura (fenômeno reológico)
  • Liberação de neurotransmissores inadequadamente como serotonina e substância P

Segundo o US National Libray of Medicine, acredita-se que a migrânea tenha uma causa genética, que predispõe as crises, e que fatores do meio externo (ambiente) e interno (do próprio organismo) deflagrariam as crises.

De acordo com pesquisa da Headache, esses fatores que causam as crises são denominados triggers ou gatilhos da migrânea e incluem:

  • Estresse
  • Ansiedade
  • Depressão
  • Má qualidade de sono
  • Alterações hormonais (ciclo menstrual)
  • Excesso de luz, ruído ou cheiros fortes
  • Alimentos
  • Medicamentos

Diagnóstico

Segundo a Mayo Clinic, para o diagnóstico da migrânea, o neurologista considera:

  • História clínica: Tipo de dor, frequência, sintomas associadas, presença da aura
  • Exame Neurológico: Deve ser normal e não apresentar nenhuma alteração
  • Exames complementares: Uma ressonância, tomografia e exames laboratoriais poderão ser solicitados para afastar outras condições

Muitos pacientes ficam aflitos, uma vez que a migrânea é tão incapacitante e os exames estão normais. Isso ocorre porque as alterações estão a nível celular e não podem ser avaliadas com exames convencionais, salvo em centro de pesquisas em neurofisiologia.

Migrânea

Migrânea - Tratamento

De acordo com o The New England Journal of Medicine, o tratamento da migrânea tem o objetivo de melhorar a qualidade de vida dos indivíduos. Lembre-se que esta é uma das 10 condições mais incapacitantes do mundo moderno, portanto não a ignore. Cuidar de você é melhorar diversos aspectos da sua vida íntima e profissional.

O tratamento da migrânea envolve uma série de fatores:

  • Controle dos desencadeantes:
    • Cuidados com alimentação
    • Boas Práticas de Sono
    • Manejo do estresse, ansiedade e depressão (quando presentes)
  • Tratamento preventivo - Estratégias para prevenir as crises de dor:
    • Medicamentos
    • Aplicação de Botox
    • Bloqueio Anestésico de Nervos cranianos
    • Estimulação de nervos cranianos
  • Tratamento abortivo -  Estratégias para parar a dor já iniciada:
    • Medicamentos
    • Estimulação de Nervos cranianos

O tratamento preventivo sempre é utilizado em pacientes com crises incapacitantes ou muito frequentes. Ele evita que os pacientes tornem-se dependentes dos analgésicos. O objetivo é evitar o início das crises de migrânea. Segundo pesquisa da Revista Cephalalgia, entre os medicamentos que podem ser utilizados nesse processo estão:

  • Reposição de vitaminas do complexo B
  • Antidepressivos como amitriptilina, venlafaxina
  • Anticonvulsivantes como topiramato, valproato
  • Medicamentos que atuam sobre os vasos cerebrais como propranolol, flunarizina
  • Anticorpos monoclonais como erenumab, frenemezumab, galcanezumab
  • Toxina Botulínica (Botox)

Nos casos graves, o melhor tratamento preventivo da migrânea é a aplicação de botox ou o uso de anticorpos monoclonais.

Uma vez que a dor se iniciou, deve-se utilizar medicamentos para interrompe-la (tratamento abortivo da crise). Entre eles estão:

  • Hidratação
  • Analgésicos comuns
  • Anti-inflamatórios
  • Medicamentos da classe dos triptanos
  • Corticosteroides
  • Antipsicóticos

Por vezes, as crises de migrânea são tão fortes e incapacitantes que devem ser manejadas em pronto-socorro. Estes pacientes se beneficiam muito dos tratamentos preventivos (aplicação de botox, entre outros).

Dr Diego de Castro Neurologista

Dr Diego de Castro é Neurologista e Neurofisiologista pela USP e cuida de pacientes com migrânea. Realiza aplicação de botox, bloqueio de nervos cranianos, entre outras tratamentos.

Gostou desse artigo? Compartilhe com um amigo! Siga-nos nas redes sociais!

Apesar de frequentemente ser subvalorizada, migrânea não é frescura. Por isso, disponibilizamos mais informação para você conhecer sua condição e seu tratamento:

Estamos disponíveis para avaliar seu caso por telemedicina ou no endereço abaixo:

Dr Diego de Castro Neurologista - Avenida Américo Buaiz, 501 – Ed. Victória Office Tower Leste, Sala 109 - Enseada do Suá, Vitória - ES, 29050-911

Tel: (27) 99707-3433

Posts Relacionados:


Compartilhe

Posts mais Populares

Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter e receba em seu e-mail todos os nossos novos artigos.

Dr Diego de Castro dos Santos
Dr Diego de Castro Neurologista
Dr Diego de Castro dos Santos é Neurologista pela USP e responsável pelo Serviço de Especialidades Neurológicas – Eletroneuromiografia. Atua como neurologista em Vitória Espírito Santo ES e em São Paulo no tratamento de Dor de Cabeça, Depressão, Doença de Parkinson, Miastenia gravis e outras doenças. Também se dedica a reabilitação de pacientes com AVC, distonias e crianças com paralisia cerebral, por meio de aplicação de toxina botulínica (Botox) e neuromodulação.
Dúvidas? Sugestões?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DR DIEGO DE CASTRO

Dr. Diego de Castro dos Santos
Neurofisiologia clínica - RQE 74154
Neurologia - RQE 74153
Diretor Clínico Autor e Responsável Técnico pelo Site – Mantenedor.

Missão do Site: Prover Soluções cada vez mais completas de forma facilitada para a gestão da saúde e o bem-estar das pessoas, com excelência, humanidade e sustentabilidade. Destinado ao público em geral.
NEUROLOGISTA EM SÃO PAULO – SP
CRM-SP 160074

R. Itapeva, 518 - sala 901
Bela Vista - São Paulo - SP 
CEP: 01332-904

Telefones:
(11) 3262-4745
(11) 98758-7663

NEUROLOGISTA VITÓRIA – ES
CRM-ES 11.111

Av. Américo Buaiz, 501 – Sala 109
Ed. Victória Office Tower Leste, Enseada do Suá, Vitória – ES, CEP: 29050-911

Telefones:
(27) 99707-3433
(27) 99886-7489

magnifier linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram