São Paulo: (11) 98758-7663 - (11) 3262-4745 | Vitória: (27) 99707-3433 - (27) 99886-7489

Acidente Vascular Encefálico - Tratamento e Cuidados

Dr Diego de Castro
25/08/2021
Compartilhe

Embora o Acidente Vascular Encefálico, ou simplesmente AVE, possa variar em tipos e níveis de gravidade, muitos pacientes e seus entes queridos estiveram onde você está agora – enfrentando decisões importantes sobre tratamento e cuidados que devem ser tomadas rapidamente.

A recuperação de um AVE pode parecer esmagadora, mas a reabilitação pode ajudá-lo a recuperar sua força, sua coragem e sua independência. Neste artigo, Dr Diego de Castro, Neurologista e Neurofisiologista pela USP, explica sobre tratamento e cuidados necessários após um Acidente Vascular Encefálico e quais recursos podem ajudar nessa fase.

Acidente Vascular Encefálico

O Acidente Vascular Encefálico é mais comumente conhecido como Acidente Vascular Cerebral, AVC ou mesmo "derrame cerebral".

Informações do NINDS apontam que o Acidente Vascular Encefálico é uma emergência médica que requer atenção imediata. Os danos ao cérebro ocorrem tanto por hemorragia dentro e ao redor do cérebro (AVE hemorrágico) ou pela falta de fluxo sanguíneo para uma região onde as células nervosas são roubadas de suprimentos vitais e morrem (AVE isquêmico).

O AVE geralmente ocorre com pouco ou nenhum aviso, e os resultados podem ser devastadores.

A Importância do Tempo no Tratamento Agudo

Segundo o site da American Association of Neurological Surgeons, é extremamente importante que o fluxo sanguíneo seja restaurado ao cérebro o mais rápido possível. Sem oxigênio e nutrientes importantes, as células cerebrais afetadas são danificadas ou morrem em poucos minutos. Uma vez que as células cerebrais morrem, elas geralmente não se regeneram, às vezes resultando em deficiências físicas, cognitivas e mentais.

Por esse motivo, é tão importante chegar ao pronto-socorro imediatamente se você acha que está tendo um AVE. Pode ser necessário o uso de medicamentos nas primeiras 3 horas após o início dos sintomas.

No hospital, a equipe médica precisa incialmente descartar outras condições que possam ter causado os sintomas. Isso pode incluir:

  • Convulsão
  • Enxaqueca
  • Baixo açúcar no sangue
  • Problema cardíaco.

São realizados exames de sangue e exames de imagem para descobrir que tipo de AVE ocorreu. O tipo mais comum é chamado de Acidente Vascular Encefálico Isquêmico. Quase 90% das pessoas têm esse tipo, e ele acontece quando um coágulo bloqueia o fluxo sanguíneo. Um AVE hemorrágico ocorre quando um vaso sanguíneo se rompe e há um sangramento no cérebro.

O tratamento depende do tipo de AVE que está ocorrendo.
O tratamento depende do tipo de AVE que está ocorrendo.

Tratamentos para AVE Isquêmico

Um medicamento com função de dissolver coágulos sanguíneos, chamado ativador do plasminogênio (rt-PA), é administrado por via intravenosa. O NHS recomenda que esse tratamento seja realizado dentro de 3 horas após o início dos sintomas. Em algumas situações, pode ser realizado dentro de 4,5 horas depois.

Alguns pacientes não podem receber rt-PA, pois têm alto risco de sangramento. Nestes casos, outros medicamentos para fluidificar o sangue ou evitar que coágulos fiquem maiores são administrados.

Outra opção é remover o coágulo. Um dispositivo chamado stent é inserido na artéria para retirá-lo com um tubo de sucção.

Tratamentos para AVC Hemorrágico

O primeiro objetivo é encontrar e controlar o sangramento. O próximo passo depende do que causou o AVE.

A principal razão para um AVE hemorrágico é pressão alta descontrolada. Se esse é o caso, são administrados medicamentos para abaixar a pressão.

Se um aneurisma causou o AVE, a equipe médica pode usar um clipe para prender o vaso rompido ou inserir uma pequena bobina através dele, que ajuda a evitar que o vaso sanguíneo rompa novamente.

Vasos sanguíneos emaranhados, condição chamada de Malformação Arteriovenosa, também pode causar um AVE. Nesse caso, as formas de tratamento incluem:

  • Retirá-los com cirurgia
  • Usar radiação para reduzi-los
  • Realizar algum procedimento para bloquear o fluxo de sangue para eles.

Reabilitação do Acidente Vascular Encefálico

Uma vez tratado o AVE em sua fase aguda, inicia-se o processo de reabilitação. Segundo a Mayo Clinic, o objetivo da reabilitação do AVC é ajudá-lo a reaprender habilidades que perdeu quando o AVE afetou parte do cérebro. A reabilitação pode ajudá-lo a recuperar a independência e melhorar sua qualidade de vida.

As atividades realizadas podem incluir:

  • Exercícios de habilidade motora, para ajudar a melhorar sua força muscular e coordenação.
  • Treinamento de mobilidade. Você pode aprender a usar auxílios de mobilidade, como um andador, bengalas, cadeira de rodas ou tornozeleira. A tornozeleira pode estabilizar e fortalecer o tornozelo para ajudar a suportar o peso do seu corpo enquanto você reaprender a andar.
  • Terapia induzida por restrição. Um membro não afetado é contido enquanto você pratica a movimentação do membro afetado para ajudar a melhorar sua função.
  • Terapia de amplitude de movimento. Certos exercícios e tratamentos podem aliviar a tensão muscular (espasticidade) e ajudá-lo a recuperar a amplitude de movimento.
  • Terapia para distúrbios cognitivos. A terapia ocupacional e a fonoaudiologia podem ajudá-lo com habilidades cognitivas perdidas, como memória, processamento, resolução de problemas, habilidades sociais, julgamento e consciência de segurança.
  • Terapia para distúrbios de comunicação. A fonoaudiologia pode ajudá-lo a recuperar as habilidades perdidas na fala, na escuta, na escrita e na compreensão.

Quanto mais cedo começar a reabilitação, maior a probabilidade de recuperar as habilidades perdidas. No entanto, as prioridades imediatas de seus médicos são:

  • Estabilizar sua condição médica
  • Controle de condições que oferecem risco à vida
  • Evitar outro AVE
  • Limitar quaisquer complicações relacionadas ao AVE
  • É comum que a reabilitação comece logo nas 24 a 48 horas após o AVE, enquanto você ainda está no hospital.

Alguns sobreviventes de AVE se recuperam rapidamente. Mas a maioria precisa de alguma forma de reabilitação a longo prazo, durando possivelmente meses ou anos após o evento.

Seu plano de reabilitação mudará durante sua recuperação à medida que você reaprender habilidades e suas necessidades mudarem. Com a prática contínua, você pode continuar a obter ganhos ao longo do tempo.

Prevenção de um Segundo Acidente Vascular Encefálico

Informações da American Stroke Association apontam que 1 em cada 4 sobreviventes de AVE terá outro. No entanto, até 80% dos casos de recorrência podem ser evitados com uma combinação de medicamentos e hábitos saudáveis.

Por este motivo, de forma conjunta à reabilitação, seu médico vai trabalhar com você para diminuir suas chances de sofrer outro AVE.

É importante considerar que o que causou seu primeiro AVE pode causar o segundo (ou terceiro ou quarto). Por exemplo:

  • A pressão alta dobra (no mínimo) o risco de AVE, quando descontrolada
  • O colesterol alto pode levar ao acúmulo de placas nas artérias, diminuindo o fluxo sanguíneo para o cérebro e outras partes do corpo
  • Diabetes e altos níveis de açúcar no sangue danificam os vasos sanguíneos e aumentam a probabilidade de que coágulos sanguíneos se formem
  • Fumar torna o sangue mais espesso e aumenta a possibilidade de que placas se acumulem nas artérias
  • A obesidade está ligada a diabetes, doenças cardíacas e pressão alta
  • Anormalidades cardíacas, como fibrilação atrial, podem causar coágulos no coração que então viajam para o cérebro.

Além de controlar os fatores de risco citados acima, as seguintes práticas auxiliam na prevenção de um segundo AVE:

  • Conheça seus fatores de risco. Saber quais são seus fatores de risco pode ajudá-lo a tomar medidas de prevenção.
  • Controle sua pressão arterial. Se você tem pressão alta, certifique-se de monitorá-la e tomar quaisquer medicamentos que seu médico prescrever. Reduzir sua ingestão de sódio é outra ótima maneira de ajudar a controlar a pressão alta.
  • Exercite-se o suficiente para suar. A atividade física regular é fundamental em qualquer programa de prevenção de acidente vascular encefálico. Infelizmente, os prejuízos de mobilidade após um AVE podem impedir que alguns pacientes se exercitem a ponto de suar. Se isso descreve o seu caso, tente pelo menos fazer algum tipo de exercício que eleve sua frequência cardíaca. Um fisioterapeuta ou educador físico pode lhe ajudar a encontrar uma atividade adequada.
  • Realize o tratamento de aneurismas. O risco de um segundo AVE aumenta com a presença de aneurismas. Um aneurisma é uma protuberância em sua artéria que cria fraqueza na parede do vaso e aumenta o risco de ruptura. Para ajudar a reduzir o risco de AVE recorrente, seu médico pode recomendar uma cirurgia.
  • Gerencie o estresse. Viver com estresse crônico e de longo prazo aumenta o risco de AVE em 4x. A recuperação pode ser um momento muito estressante devido a preocupações com a saúde e tensão financeira. Tente o seu melhor para praticar autocuidado e evitar o estresse tanto quanto possível. Se você achar que sua situação é muito avassaladora, converse com seu médico sobre possíveis medicamentos para ajudar a aliviar a ansiedade.
  • Cuide da sua dieta. A maioria dos pacientes que sofreu um AVE pode precisar de um nutricionista em algum momento durante seu processo de recuperação.

Se você ou um ente querido tiveram um AVE recentemente, tente o seu melhor para incorporar essas dicas em sua rotina diária. Embora algumas mudanças possam ser difíceis, os benefícios valem a pena.

Certifique-se de manter seu médico informado sobre quaisquer mudanças repentinas que você fizer em sua rotina diária. Seu médico tem uma melhor compreensão de suas condições médicas pré-existentes, então ele será capaz de fornecer insights sobre quaisquer novos alimentos, exercícios ou suplementos que você deseja experimentar.

Aprofunde seu conhecimento lendo nossos outros artigos:

Dr Diego de Castro Neurologista & Neurofisiologista

Dr Diego de Castro é Neurologista pela USP e se dedica a reabilitação de pacientes com Acidente Vascular Cerebral.

Gostou deste artigo? Compartilhe com um amigo! Siga-nos nas redes sociais!

Posts Relacionados:


Compartilhe
Posts mais Populares
Acompanhe nosso Podcast!
Escute nossos conteúdos em áudio, na sua plataforma preferida:
Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter e receba em seu e-mail todos os nossos novos artigos.

Dr Diego de Castro dos Santos
Neurologia - Dr Diego de Castro
Dr Diego de Castro dos Santos é Neurologista pela USP e responsável pelo Serviço de Especialidades Neurológicas – Eletroneuromiografia. Atua como neurologista em Vitória Espírito Santo ES e em São Paulo no tratamento de Dor de Cabeça, Depressão, Doença de Parkinson, Miastenia gravis e outras doenças. Também se dedica a reabilitação de pacientes com AVC, distonias e crianças com paralisia cerebral, por meio de aplicação de toxina botulínica (Botox) e neuromodulação.
Dúvidas? Sugestões?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DR DIEGO DE CASTRO

Dr. Diego de Castro dos Santos
Neurofisiologia clínica - RQE 74154
Neurologia - RQE 74153
Diretor Clínico Autor e Responsável Técnico pelo Site – Mantenedor.

Missão do Site: Prover Soluções cada vez mais completas de forma facilitada para a gestão da saúde e o bem-estar das pessoas, com excelência, humanidade e sustentabilidade. Destinado ao público em geral.
NEUROLOGISTA EM SÃO PAULO – SP
CRM-SP 160074

R. Itapeva, 518 - sala 901
Bela Vista - São Paulo - SP 
CEP: 01332-904

Telefones:
(11) 3262-4745
(11) 98758-7663

NEUROLOGISTA VITÓRIA – ES
CRM-ES 11.111

Av. Américo Buaiz, 501 – Sala 109
Ed. Victória Office Tower Leste, Enseada do Suá, Vitória – ES, CEP: 29050-911

Telefones:
(27) 99707-3433
(27) 99886-7489

magnifier
× Como posso ajudar?
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram