São Paulo: (11) 98758-7663 - (11) 3262-4745 | Vitória: (27) 99707-3433 - (27) 99886-7489

Distonia Muscular ou Distonia - Conheça este Distúrbio do Movimento

Dr. Diego de Castro dos Santos28/07/2020
Compartilhe

O termo Distonia Muscular é um termo médico derivado do latim "Dystonia musculorum deformans". Ele foi empregado pela primeira vez em 1911 pelo neurologista Oppenheim ao descrever um quadro de alteração da tensão muscular. Na ocasião, o termo surgiu da combinação "dys" + "tonia" - prefixo "dys" relaciona-se a "mau funcionamento" e "tonia/tonus" que significa "tensão".

Nos primeiros relatos da distonia muscular, pouco se sabia sobre a doença. A condição foi caracterizada por contrações musculares involuntárias com posturas anormais, muitas vezes dolorosas.

Ainda assim, a doença chegou a ser considerada uma doença psiquiátrica por um longo tempo. Segundo a Movement Disorders Society, na década de 1980, novos estudos descreveram melhor essa entidade e, ao invés de distonia muscular, a condição passou a ser chamada apenas de distonia.

Neste artigo, Dr Diego de Castro Neurologista pela USP, especialista em Distonia e Distúrbios do Movimento, explica o que é a distonia, seus sintomas e seus efeitos sobre o sistema muscular.

Distonia Muscular - História

A distonia muscular é uma doença de história recente, pois seu real conhecimento não chega a 50 anos.

O primeiro caso descrito de um paciente com distonia muscular foi em 1911. Na ocasião, o neurologista Hermann Oppenheim descreveu "uma família que apresentava contrações musculares generalizadas com posturas anormais em todo o corpo". As contrações musculares eram sob a forma de intensos espasmos que promoviam dor e deformidade articular.

Posteriormente, outros casos semelhantes foram observados. Nesses primeiros relatos, havia uma história familiar relevante de casamentos entre primos e a condição ocorria principalmente em judeus Ashkenazi.

Com o tempo, outros neurologistas demonstraram a ocorrência da distonia muscular em pequenos músculos e segmentos. Esses indivíduos foram estudados, mas na limitada medicina da época, não foi encontrada nenhuma outra alteração neurológica ou história na família.

Nesses pacientes, os espasmos musculares foram atribuídos a causa psicológica. E por isso, a doença foi considerada uma condição psiquiátrica por um longo período.

Por volta de 1980, o neurologista Marsden e outros pesquisadores retomaram o entendimento da distonia muscular, mostrando que a doença poderia acometer um único músculo (forma focal) como o corpo todo (forma generalizada). Finalmente, a condição foi reconhecida como uma doença definitivamente neurológica. A partir desses estudos, o termo preferido a ser utilizado é apenas distonia.

Distonia Muscular

Distonia - O que é?

Atualmente, a distonia é uma doença neurológica complexa do grupo dos distúrbios do movimento. Segundo a Dystonia Medical Research Foundation, a Distonia é:

"Condição Neurológica em que os músculos se contraem involuntariamente produzindo posturas anormais ou tremores".

A contração muscular anormal pode se limitar a um único músculo, um segmento ou até o corpo inteiro. De acordo com o NINDS, a quantidade de músculos envolvidos classifica a distonia em:

  • Focal: Afeta uma única parte do corpo
  • Segmentar: Afeta duas partes do corpo próximas uma a outra
  • Multifocal: Afeta duas partes do corpo distantes
  • Hemidistonia: Acomete um lado do corpo
  • Generalizada: Acomete todo o corpo (em especial o dorso)

Causas, Diagnóstico e Tratamento

A distonia pode se iniciar em qualquer idade. Na forma generalizada, a condição tende a iniciar na infância e juventude. Grande parte desses casos é causada por mutações genéticas.

Adultos e idosos apresentam maior incidência de formas restrita a uma musculatura (forma focal), por exemplo, nos olhos, pescoço, mão, etc. Embora a forma focal não tenha causa claramente estabelecida, a contração distônica pode surgir secundária a:

  • Traumas de cranio
  • Distúrbios metabólicos
  • AVC
  • Parkinson
  • Doenças Neurodegenerativas
  • Outras doenças.

Algumas vezes, nenhuma causa é encontrada e o quadro distônico é denominado idiopático.

Segundo a Mayo Clinic, o diagnóstico da distonia muscular é realizado pelo neurologista. Para tanto, utilizamos:

  • Exame neurológico
  • Exames complementares:
    • Eletroneuromiografia
    • Ressonância magnética
    • Exames laboratoriais
    • Teste genético em alguns casos

Infelizmente, a distonia não tem cura. No entanto, a doença tem tratamento, que inclui:

  • Medicamentos relaxantes musculares
  • Aplicação de toxina botulínica (Botox)
  • Fisioterapia
  • Cirurgia para casos selecionados (Estimulação Cerebral Profunda).

Os melhores resultados do tratamento são obtidos com a combinação de todas essas técnicas.

Distonia Muscular - Impacto sobre os Indivíduos

Atualmente, segundo a American Association of Neurological Surgeon, existem mais de 250.000 pacientes distônicos nos Estados Unidos. Já no Brasil são cerca de 65.000 pacientes, possivelmente pela dificuldade de acesso a bons serviços de saúde.

Conheça o impacto da distonia muscular sobre cada indivíduo:

  • Cada paciente consulta até 10 médicos para conseguir o diagnóstico;
  • O tempo para o diagnóstico é em média de 05 anos;
  • Os desafios impostos pelos sistemas de saúde:
    • Escassez de médicos especializados no assunto
    • Dificuldade de conseguir tratamento pelo SUS
    • Dificuldade dos planos de saúde de assumir sua responsabilidade em custear o tratamento
  • Por tais dificuldades e pelas posturas anormais, os pacientes podem apresentar baixa auto-estima
  • Há maior incidência de sintomas depressivos e ansiosos.

De acordo com estudos da Cleveland Clinic, o melhor tratamento para qualquer quadro distônico é a aplicação de toxina botulínica (botox). A toxina botulínica atua na região onde o nervo se liga ao músculo, diminuindo as contrações musculares involuntárias.

No entanto, muitos pacientes não conseguem realizar aplicação de toxina botulínica pela dificuldade de acesso. Saiba que todos os planos de saúde, sem exceção, são obrigados a fornecer o tratamento com toxina botulínica. Da mesma forma, o tratamento também é realizado no SUS, nos serviços de referência em reabilitação.

Além disso, tratamentos com fisioterapia e a cirurgia de estimulação cerebral profunda (utilizada em alguns casos) também são de cobertura obrigatória pelos planos de saúde.

Devido a tantos desafios, conhecer a respeito da condição auxilia muito os pacientes. A participação em associação de pacientes e grupos nas mídias sociais é importante para compartilhar vitórias, entender os direitos e motivar uns aos outros.

Distonia Muscular

Saiba mais sobre Distonia Muscular

O tema distonia muscular é muito extenso. Para auxiliar pacientes e familiares a entender melhor sua condição escrevemos outros artigos de aprofundamento a respeito do assunto.

Clique nos links abaixo para aprender mais sobre diagnóstico e tratamento:

Dr Diego de Castro Neurologista

Dr Diego de Castro é Neurologista pela USP, especialista em distonia e distúrbios do movimento, e cuida de pacientes com diferentes formas de quadro distônico.

Acesse nossos artigos para saber mais sobre os diferentes acometimentos da distonia sob o sistema muscular.

Dr Diego de Castro Neurologista: Avenida Américo Buaiz, 501 – Ed. Victória Office Tower Leste, Sala 109 - Enseada do Suá, Vitória - ES, 29050-911

Telefone: (27) 99707-3433

Artigo publicado em 12 de maio de 2020 e atualizado em 28 de julho de 2020

Posts Relacionados:


Compartilhe

Posts mais Populares

Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter e receba em seu e-mail todos os nossos novos artigos.

Dr Diego de Castro dos Santos
Dr Diego de Castro Neurologista
Dr Diego de Castro dos Santos é Neurologista pela USP e responsável pelo Serviço de Especialidades Neurológicas – Eletroneuromiografia. Atua como neurologista em Vitória Espírito Santo ES e em São Paulo no tratamento de Dor de Cabeça, Depressão, Doença de Parkinson, Miastenia gravis e outras doenças. Também se dedica a reabilitação de pacientes com AVC, distonias e crianças com paralisia cerebral, por meio de aplicação de toxina botulínica (Botox) e neuromodulação.
Dúvidas? Sugestões?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DR DIEGO DE CASTRO

Dr. Diego de Castro dos Santos
Neurofisiologia clínica - RQE 74154
Neurologia - RQE 74153
Diretor Clínico Autor e Responsável Técnico pelo Site – Mantenedor.

Missão do Site: Prover Soluções cada vez mais completas de forma facilitada para a gestão da saúde e o bem-estar das pessoas, com excelência, humanidade e sustentabilidade. Destinado ao público em geral.
NEUROLOGISTA EM SÃO PAULO – SP
CRM-SP 160074

R. Itapeva, 518 - sala 901
Bela Vista - São Paulo - SP 
CEP: 01332-904

Telefones:
(11) 3262-4745
(11) 98758-7663

NEUROLOGISTA VITÓRIA – ES
CRM-ES 11.111

Av. Américo Buaiz, 501 – Sala 109
Ed. Victória Office Tower Leste, Enseada do Suá, Vitória – ES, CEP: 29050-911

Telefones:
(27) 99707-3433
(27) 99886-7489

magnifier linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram