São Paulo: (11) 98758-7663 - (11) 3262-4745 | Vitória: (27) 99707-3433 - (27) 99886-7489

Tratamento para o Parkinsonismo

Dr. Diego de Castro dos Santos11/11/2020
Compartilhe

Segundo The Johns Hopkins Hospital, pessoas com Parkinsonismo desenvolvem sintomas parecidos aos da doença de Parkinson, como tremores e rigidez, mas também podem apresentar uma série de problemas adicionais. Além disso, as pessoas com parkinsonismo não tendem a responder aos tratamentos tradicionais da doença de Parkinson.

Por este motivo, obter um diagnóstico adequado é importante para garantir que uma pessoa receba os tratamentos mais propensos a serem eficazes.

Neste artigo, Dr Diego de Castro, Neurologista e Neurofisiologista pela USP, explica sobre as abordagens de tratamento para o Parkinsonismo.

Características do Tratamento para o Parkinsonismo

Segundo a Movement Disorders Society, o termo parkinsonismo refere-se a um grupo de distúrbios do movimento caracterizados por lentidão (bradicinesia) e rigidez. Esses sintomas são os mesmos da doença de Parkinson. No entanto, o parkinsonismo apresenta causas e evolução clínica diferentes.

Infelizmente, ainda não existe uma terapia completamente modificadora do curso da doença para nenhum dos tipos de Parkinsonismo. Essas condições representam um desafio diagnóstico e terapêutico que exige uma abordagem cuidadosa e abrangente. Assim, o tratamento é sintomático e solidário.

Gerenciamento Sintomático do Parkinsonismo

Conforme artigo publicado na CNS Neuroscience & Therapeutics, apesar de o benefício ser transitório e geralmente modesto na melhor das hipóteses, levodopa é a terapia de primeira linha para o parkinsonismo. A terapia física e ocupacional são componentes complementares importantes na gestão do parkinsonismo.

Distonia

Injeções de toxina botulínica são uma boa opção para distonia focal — blefarospasmo em PSP, distonia da extremidade superior em CBD e casos selecionados em MSA.

Os efeitos colaterais sistêmicos são geralmente mínimos e a resposta ao tratamento é alta. Agentes orais (por exemplo, benzodiazepínicos, anticolinérgicos, relaxantes musculares) raramente são eficazes para a distonia no parkinsonismo. No entanto, a fisioterapia e a terapia ocupacional podem ser úteis se utilizados em conjunto com a terapia farmacológica.

Comprometimento de Marcha e Equilíbrio

Mesmo antes de distúrbios de marcha e instabilidade postural estarem presentes ou proeminentes, a terapia física e ocupacional pode ser benéfica.

No início do curso da doença, os terapeutas podem ensinar aos pacientes exercícios para ajudar a manter a força, flexibilidade e mobilidade, bem como melhorar o desempenho das atividades da vida diária.

Em fases posteriores da doença, os terapeutas podem realizar avaliações de segurança domiciliar (e propor modificações e/ou equipamentos adaptativos para tornar as rotinas diárias mais seguras e fáceis), treinar os cuidadores na gama de exercícios de movimento e direcionar a seleção adequada de cadeiras de rodas, se necessário.

Distúrbios da Fala e Deglutição

Os fonoaudiólogos podem tratar a disfunção linguística com exercícios de fala e sugerir dispositivos para facilitar a comunicação.

A disfagia é tratada com recomendações de consistência alimentar adequada, ajustes comportamentais na hora da refeição e/ou técnicas para promover a nutrição adequada e reduzir o risco de aspiração.

Os tubos de gastrostomia endoscópica percutânea (PEG) nem sempre são necessários, mas geralmente vale a pena considerá-los proativamente, com objetivo de evitar asfixia ou aspiração, pois estes podem resultar em pneumonia potencialmente fatal. Levantar a possibilidade de um tubo PEG precocemente permite ao paciente e ao cuidador tempo suficiente para tomar uma decisão não pressionada e informada em relação à terapia.

Disautonomia

Os sintomas autônomos da MSA são individualmente direcionados em esforços para melhorar a qualidade de vida e maximizar o cuidado geral (ou seja, quando a hipotensão ortostática não é tratada, pode piorar distúrbios de marcha e instabilidade postural).

Disfunção Erétil

Medicamentos (como sildenafil) podem ser prescritos. No entanto, os pacientes com hipotensão ortostática sintomática devem ser instruídos a permanecer em posição supino durante a relação sexual e para as quatro horas seguintes. Injeções intracavernosais de papaverina ou prostaglandina E1 são opções alternativas.

Disfunção Urinária

A urgência urinária, a frequência e/ou a incontinência com resíduos inferiores a 100 mL (ou seja, hiperatividade detrusor) são frequentemente tratadas com anticolinérgicos, mas o perfil de efeito colateral desses agentes pode limitar o uso, especialmente em idosos.

Outras considerações podem incluir injeções de toxina botulínica no músculo detrusor ou estimulação elétrica (ou seja, unidades TENS ou neuroestimuladores implantados).

A retenção urinária pode exigir autocateterização intermitente para prevenir infecção do trato urinário. Antagonistas alfa-adrenérgicos raramente são usados por causa de seu potencial para exacerbar a hipotensão ortostática.

Hipotensão Ortostática

O tratamento inicial é não farmacológico:

  • Descontinuação de medicamentos de redução da pressão arterial
  • Evitar fatores precipitantes (por exemplo, mudanças bruscas de posição, grandes refeições, álcool e calor)
  • Modificações dietéticas, incluindo aumento da ingestão de água e fluidos
  • Atividade física regular (sem transpiração excessiva, quando sintomático)
  • Aplicação diária de aglutinantes abdominais e/ou meias de compressão na coxa ou cintura alta.

Se as orientações acima forem ineficazes, a terapia farmacológica é adicionada.

Tratamento para o Parkinsonismo
O Tratamento do Parkinsonismo não baseia-se apenas em medicamentos. Práticas de autocuidado são fundamentais.

Autocuidado e Terapias Complementares no Tratamento para o Parkinsonismo

Pacientes com parkinsonismos neurodegenerativos podem representar um dilema diagnóstico para médicos e um desafio de gestão para médicos, pacientes e familiares.

Informações da American Parkinson Disease Association apontam que o tratamento da doença neurodegenerativa progressiva requer uma abordagem integral que abrange o paciente, o cuidador e toda a unidade familiar. O tipo e o nível de cuidado, é claro, mudarão à medida que os sintomas em curso avançam e novos sintomas se desenvolvem.

Os pacientes devem estar ativamente engajados em seus cuidados (por exemplo, tomadas de decisão, participação em exercícios e programas sociais) o máximo possível.

Os cuidadores desempenham um papel fundamental na gestão dos pacientes. É importante que os médicos avaliem rotineiramente seus níveis de estresse e possíveis sintomas de Burnout do cuidador.

A equipe de atenção deve incluir profissionais de saúde e especialistas em cuidados paliativos assim que for necessário. Fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos podem auxiliar em quase todas as etapas da doença e os assistentes sociais podem fornecer recursos e apoio adicionais, particularmente no que diz respeito a serviços de cuidados domiciliares e cuidados de longo prazo.

Especialistas em cuidados paliativos podem ajudar a otimizar o gerenciamento de sintomas, dar apoio emocional e espiritual e coordenar a comunicação entre pacientes, familiares e prestadores, a fim de alinhar os objetivos e direções do cuidado atual e futuro.

Dr Diego de Castro Neurologista

Dr Diego de Castro é Neurologista pela USP especialista em distúrbios do movimento e neurogenética. Cuida de pacientes com doenças raras e casos de difícil diagnóstico.

É muito comum pacientes com um suposto diagnóstico de Parkinson evoluirem com piora e ausência de resposta a tratamentos convencionais. Na verdade, este é um sinal de que o caso precisa ser melhor investigado. Nessa situação, há uma grande possibilidade de um diagnóstico de parkinsonismo, principalmente das formas atípicas.

Gostou deste artigo? Compartilhe com amigos! Siga-nos nas redes sociais.

Aprofunde seu conhecimento lendo outros artigos:

Dr Diego de Castro Neurologista em Vitória: Avenida Americo Buaiz, 501 - Victória Office Tower - Torre Leste - Enseada do Suá, Vitória - ES, 29050-911
(27) 99707-3433

Posts Relacionados:


Compartilhe

Posts mais Populares

Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter e receba em seu e-mail todos os nossos novos artigos.

Dr Diego de Castro dos Santos
Dr Diego de Castro Neurologista
Dr Diego de Castro dos Santos é Neurologista pela USP e responsável pelo Serviço de Especialidades Neurológicas – Eletroneuromiografia. Atua como neurologista em Vitória Espírito Santo ES e em São Paulo no tratamento de Dor de Cabeça, Depressão, Doença de Parkinson, Miastenia gravis e outras doenças. Também se dedica a reabilitação de pacientes com AVC, distonias e crianças com paralisia cerebral, por meio de aplicação de toxina botulínica (Botox) e neuromodulação.
Dúvidas? Sugestões?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DR DIEGO DE CASTRO

Dr. Diego de Castro dos Santos
Neurofisiologia clínica - RQE 74154
Neurologia - RQE 74153
Diretor Clínico Autor e Responsável Técnico pelo Site – Mantenedor.

Missão do Site: Prover Soluções cada vez mais completas de forma facilitada para a gestão da saúde e o bem-estar das pessoas, com excelência, humanidade e sustentabilidade. Destinado ao público em geral.
NEUROLOGISTA EM SÃO PAULO – SP
CRM-SP 160074

R. Itapeva, 518 - sala 901
Bela Vista - São Paulo - SP 
CEP: 01332-904

Telefones:
(11) 3262-4745
(11) 98758-7663

NEUROLOGISTA VITÓRIA – ES
CRM-ES 11.111

Av. Américo Buaiz, 501 – Sala 109
Ed. Victória Office Tower Leste, Enseada do Suá, Vitória – ES, CEP: 29050-911

Telefones:
(27) 99707-3433
(27) 99886-7489

magnifier linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram