Alimentação e Dieta para Auxiliar no Tratamento da Doença de Parkinson

/, Doenças Neurodegenerativas, Neurologia, Tremor/Alimentação e Dieta para Auxiliar no Tratamento da Doença de Parkinson

Alimentação e Dieta para Auxiliar no Tratamento da Doença de Parkinson

Compartilhe

Embora não exista prescrição médica para uma dieta específica na Doença de Parkinson, alguns cuidados com a alimentação podem ajudar no controle dos sintomas da doença. Este artigo visa conscientizar pacientes e familiares da importância de se comer adequadamente como uma forma de melhorar a qualidade de vida dos portadores de Doença de Parkinson.

Alimentação no Tratamento da Doença de Parkinson

Princípios gerais de uma dieta saudável na Doença de Parkinson:

  • Uma dieta com alimentos variados.
  • Porções pequenas ​​de alimentos.
  • O equilíbrio certo de grupos de alimentos.
  • Refeições regulares.
  • Ingerir pelo menos 2L de água por dia..
  • Pelo menos cinco porções de frutas e vegetais por dia.

Ter uma dieta balanceada irá melhorar sua saúde e pode ajudar a aliviar vários problemas relacionados à doença. Cerca de 8 em cada 10 pacientes com Parkinson apresentam “intestino preso” (constipação). O mau funcionamento do intestino acarreta dificuldade na absorção dos remédios da Doença de Parkinson, piorando a rigidez, o humor, e também o sono. O intestino preso também acarreta perda de apetite, sensação de “estômago cheio” mesmo comendo alimentos e tendência a perda de massa muscular.

Os princípios gerais das dietas para Doença de Parkinson auxiliam muito na melhora do sintoma de constipação e devem ser aderidos por todos os pacientes com a doença.

Recomendações para a Alimentação no Tratamento da Doença de Parkinson

  • Evite dietas “da moda”. Coma alimentos de todos os grupos alimentares, seguindo as orientações do seu médico . Comer uma variedade de alimentos irá ajudá-lo a obter energia, proteína, vitaminas, minerais e fibras.
  • Escolha os grãos, vegetais e frutas, que fornecem vitaminas, minerais, fibras e carboidratos complexos, além de ajudar a diminuir a ingestão de gordura.
  • Limite a ingestão de açúcar! Esse é um alimento que os pacientes gostam de comer pela facilidade de digestão e pelo paladar. No entanto, uma dieta com muito açúcar pode ter muitas calorias e poucos nutrientes. Também contribui para a cárie dentária.
  • Reduza a ingestão de sal e sódio para diminuir o risco de pressão alta.
  • Incorpore em sua dieta alimentos ricos em antioxidantes, que são importantes para a saúde cerebral. Estes incluem frutas e legumes coloridos e as folhas verdes escuras (couve, espinafre, rúcula). Incorpore as folhas verdes ao cardápio doméstico pelo menos 1 vez ao dia.
  • Escolha alimentos com baixo teor de gordura, gordura saturada e colesterol. Os alimentos gordurosos ou fritos têm digestão mais lenta e podem piorar a constipação.
  • Evite bebidas alcoólicas, pois elas têm muitas calorias e poucos nutrientes. Beber álcool pode causar muitos problemas de saúde e acidentes, piorar o equilíbrio e ainda interagir com os remédios.

Alimentação no Tratamento da Doença de Parkinson – Alimentos Recomendados

  • Água – Certifique-se de ingerir cerca de 2L de água por dia. Os líquidos evitam a desidratação e sintomas como mal estar, cansaço e tontura. Eles também estabilizam a pressão arterial baixa e melhoram a constipação. Se você tem Doença de Parkinson e dificuldade de controle da urina, tome os líquidos ao acordar e até as 17h. Com isso você evita a possibilidade de levantar a noite para ir ao banheiro.
  • Ameixas – Rica em antioxidantes, fibra, vitamina A e potássio, além de tratar eficazmente a constipação.
  • Salmão, sardinha e atum – Possuem grande quantidade de proteína e ômega-3, saudáveis ​​para o coração e para saúde neurológica. O ômega-3 potencialmente auxilia na preservação da memória e do raciocínio.
  • Azeite e abacate –  Esses 2 alimentos contém gorduras sabidamente benéficas para a saúde geral. E seu consumo diário deve ser estimulado.
  • Brócolis e folhas verdes – Fonte de antioxidantes e uma alta fonte de fibras, vitamina C, cálcio, ferro e magnésio.
  • Chá Verde – Grande fonte de fitoquímicos que servem como antioxidante e uma ótima maneira de ingerir líquidos também. Além disso, é uma ótima fonte de antioxidantes para aqueles que querem baixas quantidades de calorias.
  • Chocolate – Se você gosta de doce, um pedaço de chocolate 70% está liberado 01 vez ao dia. O cacau, rico em flavonóides e outros antioxidantes, pode reduzir o risco de doenças cardiovasculares e do AVC. O cacau também pode aumentar a serotonina no cérebro, uma substância química que modula o humor. Cuidado com o chocolate processado, que é rico em gordura e açúcares. Moderação é fundamental!
  • Gengibre – O gengibre tem sido usado há séculos para tratar náuseas e a pesquisa científica está provando seu valor para o tratamento de náuseas durante a quimioterapia, por exemplo. O gengibre pode ajudar a aliviar náusea causada por medicamentos para tratar a doença de Parkinson. Usar gengibre na forma cristalizada é uma maneira de garantir que você está ingerindo o produto real, pois a pureza dos suplementos não é regulada.
  • Mamão – Fruta não só rica em antioxidantes, mas também contém uma enzima, chamada papaína, que pode diluir a saliva espessa e melhorar o funcionamento do intestino.
  • Farinha de aveia – Fácil de engolir, fácil de preparar, rica em fibras. Este alimento é uma opção de baixa proteína no café da manhã e a noite (altos níveis de proteína pode reduzir a absorção de L-dopa) também promove a saúde do coração e pode reduzir o colesterol. Ao invés de massas a base de trigo comum você pode preparar bolos e pães a base de aveia.
  • Iogurte natural – O iogurte natural é o “iogurte azedo” não processsado. Ele contém bactérias que protegem o organismo humano contra eventos inflamatórios. O iogurte ajuda a normalizar a flora bacteriana do paciente com doença de Parkinson e auxilia na constipação e na melhora do humor. Você pode preparar o iogurte natural em casa fermentando o leite comum.
  • Mel-  Ao invés de açúcar, prefira adoçar o café, o chá ou iogurte com mel. Isso ajuda o paciente a consumir menos alimentos industrializados.
  • Cuidado com as carnes! – A carne vermelha deve ser ingerida pelo paciente com doença de Parkinson no máximo 1-2 vezes por semana. A carne tem digestão muito lenta e pela grande quantidade de proteínas atrapalha a absorção dos medicamentos diminuindo o efeito dos remédios. A carne vermelha por si só também piora a constipação.
  • Frango – O peito de frango é uma boa opção de proteína para os pacientes com doença de Parkinson. Ele apresenta digestão e absorção mais rápida e fácil do que as carnes vermelhas.

alimentacao-parkinson

Você está lendo: Alimentação no Tratamento da Doença de Parkinson.

Alimentação no Tratamento da Doença de Parkinson – Sugestão de Consumo

Aqui uma sugestão básica de dieta contendo as orientações acima:

  • Manhã: Uma xícara de café, uma fatia de bolo com aveia ou pão integral. Um ovo mexido. Uma pequena porção de iogurte natural com mamão e mel ou outra fruta.
  • Às 10h: Uma porção de fruta: Laranja, manga, maça, banana ou outra fruta de preferência.
  • Almoço: Peito de frango acompanhado por brócolis ou salada verde. Uma pequena porção de arroz ou um legume cozido (batata doce, mandioca, abobora). Você pode substituir o peito de frango pelo peixe ou por ovos mexidos (têm digestão mais fácil do que o ovo cozido). Troque os legumes diariamente.
  • Tarde: Uma outra porção de fruta ou chá com bolo.
  • Jantar: Caldo de feijão ou sopa de ervilhas ou lentilhas. Você pode fazer uma sopa com os alimentos que não foram consumidos no almoço. Evite refeições volumosas no jantar pois atrapalham o sono.

Se antes de dormir você ainda estiver com fome você pode consumir uma outra porção de iogurte com frutas.

Note que essa sugestão de cardápio é apenas para uma orientação geral. Você pode conseguir um cardápio mais específico e prático consultando um nutricionista.

Lembre-se de se manter bem hidratado e se exercitar. Os horários da dieta podem variar principalmente baseando-se no horário dos remédios.

Os cuidados com a alimentação não têm resultado imediato, mas são muito benéficos quando se tornam regulares a longo prazo. Tente se disciplinar e seguir essas recomendações a longo prazo!

Para saber mais sobre a alimentação no tratamento da doença de Parkinson, marque uma consulta e deixe-nos ajudar.


Compartilhe

Dúvidas e ou Sugestões?

Informações de Contato

R. Sampaio Viana, 253 - cj123 Paraíso São Paulo - CEP: SP 04004-000

Phone: 11 2638-3067 / 98977-2982

Web: Dr Diego de Castro