São Paulo: (11) 98758-7663 - (11) 3262-4745 | Vitória: (27) 99707-3433 - (27) 99886-7489

O que é Discinesia Tardia e o que Pode Ser Feito para Evitá-la?

Dr Diego de Castro
29/09/2021
Compartilhe

Segundo a Mind We're, Discinesia Tardia (DT) é um distúrbio de movimento que manifesta-se por contrações musculares involuntárias e repetitivas que podem variar de leve tremor a movimento incontrolável de todo o corpo.

Este distúrbio é comumente observado em pacientes que estão em tratamento de longo prazo com medicamentos que bloqueiam o receptor de dopamina, prescritos para tratar certas condições psiquiátricas ou gastrointestinais. No entanto, outras classes de medicamentos com diferentes mecanismos também estão associadas à discinesia tardia.

Neste artigo, Dr Diego de Castro, Neurologista e Neurofisiologista pela USP, explica sobre discinesia tardia, suas causas e formas de gerenciar estes sintomas.

Características da Discinesia Tardia

Conforme informações da National Alliance on Mental Illness, a discinesia tardia é caracterizada por movimentos involuntários e anormais que podem afetar:

  • Mandíbula
  • Lábios
  • Língua
  • Tronco.

Os principais movimentos realizados pela pessoa com discinesia tardia incluem:

  • Mastigação repetitiva
  • Protusão da língua
  • Estalar ou contrair os lábios
  • Franzir a boca
  • Deslizar a mandíbula
  • Piscar os olhos muito rapidamente
  • Movimento dos dedos (como tocar piano)
  • Balançar ou empurrar a pelve (marcha semelhante a pato)
  • Inquietação

Em alguns casos, os braços e/ou pernas também podem ser afetados por movimentos rápidos e involuntários (coreia) ou movimentos lentos e contorção (atetose), em músculos maiores do pescoço e tronco.

Causas e Fatores de Risco

A discinesia tardia é causada pelo uso a longo prazo de uma classe de medicamentos conhecidos como neurolépticos, frequentemente prescritos para o gerenciamento de certos distúrbios mentais, neurológicos ou gastrointestinais.

Os mecanismos exatos das reações adversas dessa medicação ainda não estão bem definidos. No entanto, o bloqueio de receptores de dopamina por esses medicamentos é a teoria mais aceita. O bloqueio crônico de dopamina causada pelo uso frequente dessas substâncias poderia resultar em uma supersensibilidade compensatória dos receptores, especialmente na região cerebral responsável pelo controle de movimentos: os gânglios basais.

Embora a maioria dos casos ocorra depois que uma pessoa tomou esses medicamentos por vários anos, algumas pessoas podem desenvolver o distúrbio mesmo com o uso por menos tempo.

Segundo a U.S. National Library of Medicine, os medicamentos que são mais propensos a causar discinesia tardia são antipsicóticos mais antigos, incluindo:

  • Clorpromazina
  • Flufenazina
  • Haloperidol.
medicamentos com maior potencial de causar discinesia tardia
Os medicamentos com maior potencial de causar discinesia tardia são aqueles que bloqueiam o receptor de dopamina.

Os antipsicóticos mais novos têm menor risco de causar este efeito adverso. No entanto, não são totalmente isentos do risco. Outras substâncias que podem causar DT incluem:

  • Metoclopramida (trata problemas estomacais)
  • Medicamentos antidepressivos como amitriptilina, fluoxetina, sertralina e trazodona
  • Medicamentos para tratamento da doença de Parkinson, como levodopa
  • Medicamentos anticonvulsivantes, como fenobarbital e fenitoína.

Segundo artigo publicado no The Ochsner Journal, estima-se que a ocorrência de DT seja em torno de 15%-30% daqueles que recebem tratamento de longo prazo com medicamentos neurolépticos. Os fatores que podem favorecer o risco para o desenvolvimento desse distúrbio são:

  • Idade mais avançada
  • Sexo feminino
  • Lesão cerebral anterior
  • Demência
  • Sintomas extrapiramidais anteriores ao uso
  • Raça africana e afro-americana.

Distúrbios Relacionados

Conforme a National Organization for Rare Disorders, algumas condições neurológicas podem apresentar sintomas que se assemelham à discinesia tardia. Entre elas, podemos citar:

Doença de Huntington

Pessoas com esta doença experimentam movimentos involuntários, perda de controle motor, mudanças na marcha, perda de memória e, em alguns casos, demência. Em um curso progressivo, a doença enfraquece severamente os pacientes, geralmente durante um período de dez a vinte anos, enquanto que não há degeneração na discinesia tardia. Abordamos a doença de Huntington mais detalhadamente, nos seguintes artigos:

Paralisia Cerebral

Doença caracterizada pelo controle muscular ou coordenação prejudicada resultante de lesão no cérebro durante seus estágios iniciais de desenvolvimento. Pode haver problemas associados ao processamento sensorial, como defeitos de visão ou audição, comunicação, déficits intelectuais ou perceptivos. Alguns pacientes podem apresentar movimentos faciais e de língua lentos, que podem se assemelhar à DT. Você pode saber mais informações sobre a paralisia cerebral, em nossos artigos:

Síndrome de Tourette

Distúrbio neurológico caracterizado por movimentos musculares involuntários chamados "tiques", e/ou sons vocais incontroláveis. Não é uma doença degenerativa e os afetados podem viver uma vida normal. Como medicamentos neurolépticos como haloperidol e pimozida podem ser prescritos como tratamento, pode ser difícil determinar se os movimentos faciais e da língua nesses pacientes são causados pela síndrome ou pelos medicamentos. No vídeo abaixo, você pode assistir à live em que explicamos a Síndrome de Tourette e os tiques:

Distonia

Grupo de distúrbios complexos do movimento caracterizados por contrações musculares involuntárias, que forçam certas partes do corpo (por exemplo, pescoço, tronco ou braço) a movimentos e posições anormais, às vezes dolorosos. Fatores genéticos e não genéticos contribuem para diferentes formas de distonia.

A avaliação cuidadosa de um neurologista especialista em distúrbios do movimento é muito importante para um diagnóstico diferencial adequado entre a discinesia tardia e estas condições neurológicas.

Temos diversos artigos sobre distonia aqui no blog. Para saber mais, acesse:

Diagnóstico

Artigo publicado na StatPearls aponta que não existem testes laboratoriais ou de imagem que possam confirmar o diagnóstico de discinesia tardia. Além disso, como ela pode ser confundida com distúrbios neurológicos como os descritos acima, a avaliação neurológica é fundamental no diagnóstico.

Quando um paciente é atendido pela primeira vez, a suspeita de discinesia tardia pode ser levantada pela análise do histórico de saúde e a lista de medicamentos que o paciente toma.

Observar os pacientes regularmente e realizar um registro cuidadoso de quais movimentos acontecem e em quais momentos do dia, além dos medicamentos utilizados são práticas que os familiares e cuidadores podem realizar para ajudar o médico neurologista no acompanhamento destes pacientes.

Tratamento

Em geral, o tratamento da discinesia tardia envolve reduzir o uso do medicamento que a está causando. No entanto, parar abruptamente uma medicação antipsicótica pode causar sintomas de abstinência do medicamento. Assim, o processo deve ser feito de forma gradual.

O médico pode optar por modificar a medicação do paciente, prescrevendo outro antipsicótico, na tentativa de causar menos efeitos adversos, já que cada paciente responde de uma forma diferenciada ao tratamento.

Conforme os estudos vão avançando, alguns medicamentos estão sendo desenvolvidos para tratar a discinesia tardia. A substância valbenazine (nome comercial Ingrezza) foi o primeiro medicamento aprovado pelo Food and Drug Administration (FDA). O medicamento AUSTEDO (deutetrabenazine) também pode ser indicado, assim como para a doença de Huntington. Infelizmente, o custo desses novos fármacos ainda é alto e a indicação deve ser cuidadosamente avaliada.

Além desses medicamentos aprovados, o artigo publicado no The Ochsner Journal também cita outros agentes alternativos, que têm mostrado leve benefício, amenizando os sintomas da DT:

  • Agentes colinérgicos
  • Clonazepam
  • Propranolol
  • Amantadina
  • Aminoácidos de cadeia ramificada (BCAAs)
  • Ginkgo Biloba
  • Antioxidantes, como ômega-3, vitamina B6 e vitamina E.

Em alguns casos muito graves, o procedimento de Estimulação Cerebral Profunda (DBS) pode ser tentado. Segundo artigo publicado no JAMA, a estimulação bilateral do Globus Pallidus levou à melhora sustentada dos sintomas motores em pacientes com DT grave refratária ao tratamento médico.

Embora esses resultados precisem de um acompanhamento mais longo, este procedimento parece oferecer uma nova opção de tratamento para reduzir os sintomas.

Prevenção

A melhor estratégia contra a discinesia tardia é a prevenção, com escolhas farmacológicas e alteração de dosagens com base nas particularidades de cada paciente.

Um acompanhamento constante desses pacientes, assim como a reavaliação do curso do tratamento é muito importante para identificar o surgimento de sintomas e realizar ajustes da dose ou mesmo troca do medicamento, quando necessário.

Dr Diego de Castro Neurologista Especialista em Transtornos do Movimento

Dr Diego de Castro é Neurologista e Neurofisiologista pela USP especialista em Doença de Parkinson e Distúrbios do Movimento. Dr Diego de Castro também é membro da Academia Brasileira de Neurologia (ABN) e da Sociedade Brasileira de Neurofisiologia Clínica (SBNC).

Compartilhe este artigo! Siga-nos nas redes sociais.

Leia outros artigos sobre este tema:

Especialidades Neurológicas - Dr Diego de Castro Neurologista e Neurofisiologista

Av. Américo Buaiz, 501 – Sala 109
Ed. Victória Office Tower Leste, Enseada do Suá, Vitória – ES, CEP: 29050-911

Telefone: (27) 99707-3433

Posts Relacionados:


Compartilhe
Posts mais Populares
Acompanhe nosso Podcast!
Escute nossos conteúdos em áudio, na sua plataforma preferida:
Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter e receba em seu e-mail todos os nossos novos artigos.

Dr Diego de Castro dos Santos
Neurologia - Dr Diego de Castro
Dr Diego de Castro dos Santos é Neurologista pela USP e responsável pelo Serviço de Especialidades Neurológicas – Eletroneuromiografia. Atua como neurologista em Vitória Espírito Santo ES e em São Paulo no tratamento de Dor de Cabeça, Depressão, Doença de Parkinson, Miastenia gravis e outras doenças. Também se dedica a reabilitação de pacientes com AVC, distonias e crianças com paralisia cerebral, por meio de aplicação de toxina botulínica (Botox) e neuromodulação.
Dúvidas? Sugestões?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DR DIEGO DE CASTRO

Dr. Diego de Castro dos Santos
Neurofisiologia clínica - RQE 74154
Neurologia - RQE 74153
Diretor Clínico Autor e Responsável Técnico pelo Site – Mantenedor.

Missão do Site: Prover Soluções cada vez mais completas de forma facilitada para a gestão da saúde e o bem-estar das pessoas, com excelência, humanidade e sustentabilidade. Destinado ao público em geral.
NEUROLOGISTA EM SÃO PAULO – SP
CRM-SP 160074

R. Itapeva, 518 - sala 901
Bela Vista - São Paulo - SP 
CEP: 01332-904

Telefones:
(11) 3262-4745
(11) 98758-7663

NEUROLOGISTA VITÓRIA – ES
CRM-ES 11.111

Av. Américo Buaiz, 501 – Sala 109
Ed. Victória Office Tower Leste, Enseada do Suá, Vitória – ES, CEP: 29050-911

Telefones:
(27) 99707-3433
(27) 99886-7489

magnifier
× Como posso ajudar?
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram